Morre o ex-presidente alemão Roman Herzog, aos 82 anos

Herzog foi o sétimo presidente da República Federal da Alemanha e governou entre 1994 e 1999

Berlim – O ex-presidente da Alemanha Roman Herzog, que governou entre 1994 e 1999, morreu aos 82 anos por uma grave doença, informou nesta terça-feira o gabinete presidencial.

Em comunicado, a chanceler alemã, Angela Merkel, expressou “profunda tristeza” pela morte. Segundo ela, a Alemanha perde não só um “ex-presidente muito querido, mas um patriota” que serviu ao país em diversos cargos.

“Falava com clareza, não era pretensioso, tinha bom humor, era irônico consigo mesmo e desempenhou sua função de presidente com seu estilo inimitável”, ressaltou a chanceler, que lembrou que Herzog “manifestou várias vezes seu convencimento de que o país devia continuar se desenvolvendo e se renovando sempre”.

Mais cedo, o atual presidente alemão, Joachim Gauck, escreveu uma mensagem de condolência à viúva Alexandra von Berlichingen e disse que Herzog tinha um caráter admirável.

“Foi uma personalidade notável que marcou e projetou a percepção que a Alemanha tem de si mesma e a convivência em nossa sociedade. Defendeu nosso país e nossa constituição liberal com objetividade, inteligência e grande experiência vital”, afirmou Gauck.

Depois, em um comparecimento perante a imprensa, ele destacou “espírito liberal e crítico” de Herzog, sua condição de “pioneiro” e a confiança que despertava “por sua forma de pensar, clara e humana”.

“Várias vezes nos abriu os olhos sobre as necessidades de mudanças para garantir o bem-estar social”, disse o presidente.

Herzog, que foi o sétimo presidente da República Federal da Alemanha, entrou para a União Democrata-Cristã (CDU) em 1970. Na lembrança dos alemães permanece um discurso feito em 26 de abril de 1997, quando pediu a renovação interna da Alemanha e se queixou da “paralisia social”, o “desalento generalizado” e os “impedimentos burocráticos inimigos de toda reforma” que há muito tempo afetavam à sociedade alemã.

“Quem adia ou bloqueia as grandes reformas tem que ser consciente que nosso povo terá que pagar um alto preço por isso”, disse, em um discurso que durou 55 minutos.

Comentários
Deixe uma resposta

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s