Ministro da Saúde indiano diz que homossexualismo é uma “doença”

Ministro fez declaração polêmica em uma conferência sobre a Aids

Nova Délhi – O ministro da Saúde indiano, Ghulam Nabi Azad, provocou uma grande polêmica no país após assegurar em uma conferência sobre a Aids que o homossexualismo é uma “doença” que atinge cada vez mais pessoas.

“A doença dos homens que praticam sexo com outros homens é antinatural e não é boa para a Índia. Não somos capazes de identificar onde está ocorrendo”, disse Azad nesta segunda-feira.

“É fácil encontrar as trabalhadoras do sexo e conscientizá-las sobre o sexo seguro, mas é um desafio encontrar os homossexuais”, acrescentou Azad, em declarações publicadas nesta terça-feira pela agência indiana “Ians”.

Até 2009, o homossexualismo podia ser punido com até dez anos de prisão. Apesar de não existir mais esta lei, grande parte da sociedade continua alimentando preconceitos e discriminando este coletivo.

“É surpreendente que o ministro da Saúde deste país faça um comentário assim”, declarou à “Ians” o ativista Mohnish Malhotra, um dos organizadores do “Dia do Orgulho Gay” na Índia.

Há na Índia cerca de 2,5 milhões de pessoas contaminadas pela Aids.

A conferência na qual Azad deu as polêmicas declarações teve a presença do primeiro-ministro da Índia, Manmohan Singh, e da líder do governamental Partido do Congresso, Sonia Gandhi.