Militares colombianos estão em Cuba para diálogo com as Farc

A expectativa é de que os contatos comecem nesta quinta-feira e continuem até o fechamento do atual ciclo de diálogos de paz, no próximo sábado

Havana – Um grupo de comandantes das forças armadas da Colômbia chegou nesta quarta-feira a Havana para participar com membros das Farc em uma reunião da subcomissão técnica encarregada de refinar os detalhes de um cessar-fogo definitivo, confirmaram à Agência Efe fontes próximas à negociação.

Esta delegação de militares é integrada pelos generais do exército, Martín Fernando Nieto e Alfonso Rojas Tirado, o general da aeronáutica, Oswaldo Rivera, o contra-almirante da marinha, Orlando Romero, e o general da polícia, Álvaro Pico.

Viajou com eles o general do exército, Javier Flórez, chefe dessa subcomissão criada em agosto do ano passado e do Comando de Transição criado pelo presidente Juan Manuel Santos para preparar a paz durante o pós-conflito.

Estes comandantes das forças do Estado colombianas se somam à subcomissão de caráter técnico formada pelo governo para avançar no último ponto da agenda do processo de paz, em discussões que mantêm desde então com um grupo equivalente composto por integrantes das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc).

Por parte das Farc, a equipe da subcomissão técnica está liderada pelo chefe do bloco sul dessa guerrilha, Milton de Jesús Toncel Redondo, conhecido como “Joaquín Gómez”.

A expectativa é que as duas equipes iniciem seus contatos amanhã e continuem suas reuniões a cada dia até o fechamento do atual ciclo de diálogos de paz, que termina no próximo sábado, dia 7 de março.

A Subcomissão de Fim do Conflito, integrada por dez delegados de cada parte, já começou seus trabalhos em agosto, mas agora fica reforçada com a adesão à equipe oficial destes cinco comandantes, devido a sua experiência no terreno e conhecimentos sobre o conflito armado.

O objetivo é que essa experiência sirva de ajuda na hora de debater questões complexas e delicadas como a entrega das armas, a desmobilização da guerrilha e sua reintegração na vida civil.

Também participam da subcomissão pela parte governamental outros especialistas militares e assessores civis do Escritório do Alto Comissariado para a Paz da Colômbia.

A subcomissão é uma instância independente na mesa de negociação, que na atualidade está tentando fechar o ponto da agenda referente à reparação das vítimas, embora há semanas aborde em paralelo questões sobre o cessar-fogo.

Desde 20 de dezembro do ano passado, quando entrou em vigor o cessar-fogo unilateral e indefinido decretado pela guerrilha, se intensificaram em Havana as conversas sobre a melhor maneira de diminuir a intensidade do conflito armado.