Mercosul repudia uso da força contra a Venezuela

Na véspera, Trump ameaçou uma intervenção militar na Venezuela, surpreendente escalada na resposta de Washington à crise política

São Paulo – O países do Mercosul repudiaram a violência e qualquer uso da força contra a Venezuela, informou o Ministério das Relações Exteriores do Brasil neste sábado, um dia após o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, ameaçar o país sul-americano de intervenção militar.

“Os países do Mercosul consideram que os únicos instrumentos aceitáveis para a promoção da democracia são o diálogo e a diplomacia”, trouxe a nota.

“O repúdio à violência e a qualquer opção que envolva o uso da força é inarredável e constitui base fundamental do convívio democrático, tanto no plano interno como no das relações internacionais”, acrescentou o ministério.

Na véspera, Trump ameaçou uma intervenção militar na Venezuela, surpreendente escalada na resposta de Washington à crise política venezuelana.

A Venezuela pareceu se encaminhar a um estágio mais volátil de agitações nos últimos dias, com forças antigoverno saqueando armas dos militares após a instalação de uma Assembleia Constituinte.

O Ministério das Relações Exteriores brasileiro lembrou ainda que a Venezuela já foi suspensa do Mercosul, em 5 de agosto, “em decorrência da constatação de que ocorreu uma grave ruptura da ordem democrática naquele país”.

“Desde então, aumentaram a repressão, as detenções arbitrárias e o cerceamento das liberdades individuais. As medidas anunciadas pelo governo e pela assembleia nacional constituinte nos últimos dias reduzem ainda mais o espaço para o debate político e para a negociação”.

Assim, reforçou que os países do bloco vão continuar insistindo para que a Venezuela “cumpra com os compromissos que assumiu, de forma livre e soberana, com a democracia como única forma de governo aceitável na região. O governo venezuelano não pode aspirar ao convívio normal com seus vizinhos na região enquanto não for restaurada a democracia no país”.

A mesma nota foi publicada pelo Ministério das Relações Exteriores da Argentina também neste sábado.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s