Dólar R$ 3,27 -0,54%
Euro R$ 3,65 0,07%
SELIC 11,25% ao ano
Ibovespa 1,36% 64.085 pts
Pontos 64.085
Variação 1,36%
Maior Alta 4,89% RADL3
Maior Baixa -6,09% JBSS3
Última atualização 26/05/2017 - 17:20 FONTE

Menino tenta explodir bomba em mercado de Natal na Alemanha

Segundo investigações, menino pode ter sido induzido ou ordenado por um membro do grupo Estado Islâmico

Um menino de 12 anos é suspeito de ter tentado explodir um artefato no final de novembro em Ludwigshafen, oeste da Alemanha, segundo as autoridades, com a imprensa apontando uma motivação islamita.

A investigação levou a um menino “radicalizado que poderia ter sido induzido ou ordenado à distância” por um membro do grupo Estado Islâmico para cometer um atentado, depois de considerar neste verão a possibilidade de se juntar ao grupo na Síria, escreveu a revista Focus, citando uma fonte judicial.

O Ministério Público de Frankenthal confirmou à AFP o envolvimento de um jovem alemão de 12 anos, nascido na Alemanha e de origem iraquiana. Perguntado sobre uma possível motivação islâmica, a justiça só falou de “indicações” que justificam a interferência da procuradoria federal competente em matéria de terrorismo.

“Eu posso confirmar que abrimos uma investigação após a descoberta de uma bomba em Ludwigshafen”, disse por sua vez à AFP um porta-voz da procuradoria federal, Stefan Biehl, sem mais detalhes.

De acordo com o MP de Frankenthal, em duas ocasiões – em 26 de novembro e 5 de dezembro – o menino falhou em suas tentativas de ativar o mesmo dispositivo caseiro, primeiro em um mercado de Natal, depois na praça da prefeitura.

De acordo com Focus, um transeunte encontrou em 5 de dezembro em um arbusto perto da prefeitura uma mochila contendo um bocal cheio de pó, com um pavio e pregos.

“Uma amostra foi recolhida e se mostrou inflamável”, confirmou à AFP o procurador-geral de Frankenthal, Hubert Strober.

Ele disse que “o termo bomba é exagerado”, mas os investigadores ainda não sabem como a mistura “poderia se comportar” em seu recipiente de vidro.

A criança, jovem demais para ser processada, foi confiada aos serviços sociais, de acordo com a mesma fonte.