Dólar R$ 3,27 -0,54%
Euro R$ 3,65 0,07%
SELIC 11,25% ao ano
Ibovespa 1,36% 64.085 pts
Pontos 64.085
Variação 1,36%
Maior Alta 4,89% RADL3
Maior Baixa -6,09% JBSS3
Última atualização 26/05/2017 - 17:20 FONTE

Manifestantes celebram impeachment de presidente da Coreia

Milhares de pessoas marcharam em volta das ruas próximas ao palácio presidencial, onde Park Geun-hye deve ficar até a decisão do Tribunal Constitucional

Seul – Na vez anterior em que o parlamento da Coreia do Sul votou para tirar um presidente, parlamentares do partido no poder berravam e arremessavam urnas, um homem se incendiou diante da Assembleia Nacional, e milhares mantiveram vigílias noite após noite para salvar o presidente liberal Roh Moo-hyun.

Doze anos depois, o clima não poderia ter sido mais oposto, com multidões voltando às ruas de Seul neste sábado, um dia depois de os legisladores votarem a favor da remoção da presidente Park Geun-hye.

A votação para o impeachment deixou manifestantes orgulhosos, acreditando que eles haviam reparado uma democracia danificada com suas manifestações semanais.

Milhares de pessoas marcharam perto de ruas próximas ao palácio presidencial, onde Park permanecerá em grande medida sozinha por até seis meses até que o Tribunal Constitucional declare a sua renúncia definitiva.

Segurando placas, bandeiras e balões amarelos, manifestantes gritavam alegremente para que ela saia imediatamente, em vez de enfrentar o processo judicial.

Eles agitavam os braços à batida de gongos e tambores e seguiram uma efígie de Park vestida com o uniforme da prisão e amarrada com corda em um estreito beco perto dos escritórios e residência presidenciais, conhecida como a Casa Azul. “Park Geun-hye, saia da casa! Saia da casa agora!”, diziam os manifestantes. “Desça e vá para a prisão!”

Aparentemente, dezenas de milhares de manifestantes lotaram uma grande avenida próxima, que foi o centro de protestos massivos nas últimas semanas.

“Nós demos um bom primeiro passo (na sexta-feira). Foi um dia em que todos nós percebemos quão forte podemos ser coletivamente”, disse Kim Hye-in, que passou seu sexto sábado consecutivo em Seul protestando contra Park. “Mas ainda não estamos lá. Precisamos continuar nos reunindo fortemente até que a corte a remova oficialmente.”

Nesta sexta-feira, o parlamento controlado pela oposição aprovou uma moção de impeachment contra Park, que a despojou de seus deveres presidenciais e colocou o primeiro ministro Hwang Kyo-ahn no papel de guarda do governo até que o tribunal defina sobre o destino de Park.

O impeachment ocorreu depois de milhões de pessoas irem às ruas por semanas exigindo a remoção de Park, que os promotores públicos acusam de conluio com uma amiga para extorquir dinheiro e favores das maiores empresas sul-coreanas e de dar a esta confidente influência extraordinária sobre as decisões do governo.

Park pediu desculpas por colocar confiança em sua amiga, Choi Soon-sil, mas negou qualquer irregularidade legal.

Em 2004, o Tribunal Constitucional restabeleceu Roh após dois meses, dizendo que pequenas violações da lei eleitoral e acusações de incompetência não eram suficientes para justificar sua destituição como presidente.

As chances de o tribunal restabelecer os poderes de Park são consideradas pequenas porque suas acusações são muito mais graves, embora alguns acreditem que o tribunal vai precisar de mais de um par de meses para decidir, porque seu caso é mais complicado do que o de Roh.

Park será formalmente removida do cargo se pelo menos seis dos nove juízes apoiarem seu impeachment. O país então realizaria uma eleição presidencial dentro de 60 dias.

Fonte: Associated Press