Dólar R$ 3,28 0,59%
Euro R$ 3,67 0,09%
SELIC 11,25% ao ano
Ibovespa -1,54% 61.673 pts
Pontos 61.673
Variação -1,54%
Maior Alta 7,00% EMBR3
Maior Baixa -31,34% JBSS3
Última atualização 22/05/2017 - 17:21 FONTE

Líderes republicanos apoiam sanções dos EUA à Rússia

Grande parte dos republicanos apontam Moscou como um dos principais perigos para os EUA

Washington – Os líderes republicanos Paul Ryan, John McCain e Lindsey Graham manifestaram nesta quinta-feira seu apoio às sanções à Rússia pelos ataques cibernéticos que os Estados Unidos atribuem a esse país durante a última campanha das eleições presidenciais americanas, embora tenham pedido mais contundência.

Grande parte dos republicanos apontam Moscou como um dos principais perigos para os EUA, embora o presidente eleito, Donald Trump, tenha elogiado em várias ocasiões a figura de Vladimir Putin e defendido uma aproximação à Rússia.

Em comunicado, o presidente da Câmara dos Representantes dos EUA, o republicano Paul Ryan, se mostrou de acordo com a decisão do líder americano, Barack Obama, de sancionar a Rússia, embora a considere tardia.

“A Rússia não compartilha os interesses dos Estados Unidos, mas procurou miná-los, semeando uma perigosa instabilidade no mundo todo. Embora a ação de hoje seja tardia, é uma maneira apropriada de terminar com oito anos de política fracassada com a Rússia”, afirmou Ryan.

O republicano, que foi muito crítico com Trump durante a campanha eleitoral, acrescentou que as sanções são “um excelente exemplo da ineficaz política externa do governo, que deixou os EUA mais frágeis aos olhos do mundo”.

O senador republicano John McCain também apoiou as sanções contra a Rússia e manifestou que o país continua sendo “uma ameaça para os fundamentos da democracia”.

McCain afirmou que duvida que os esforços da russos tenham afetado o resultado eleitoral dos EUA, embora garanta que tanto ele como o senador republicano Lindsey Graham impulsionarão sanções adicionais contra a Rússia.

Graham acrescentou que a Rússia estava “semeando discórdia nas democracias vizinhas”, em referência a três antigas repúblicas soviéticas Estônia, Letônia e Lituânia.

McCain, Graham e a senadora democrata Amy Klobuchar fizeram uma viagem pelos países bálticos para debater sobre segurança e agora devem passar por Ucrânia, Geórgia e Montenegro.

O presidente americano, Barack Obama, assinou uma ordem executiva com a qual sancionou 11 indivíduos, organismos e empresas vinculadas com os ataques informáticos.

Além disso, Obama ordenou a expulsão de 35 diplomatas russos, aos quais deu “72 horas para deixar os Estados Unidos”, após declará-los “persona non grata”.

O presidente também prometeu mais medidas contra a Rússia, algumas delas secretas.

“Essas ações não são a soma total de nossa resposta às atividades agressivas da Rússia”, afirmou Obama em uma declaração divulgada pela Casa Branca.