Líderes da China começam reunião-chave para reforma do país

Não são esperados muitos detalhes sobre o conteúdo da reunião até o dia de encerramento

Pequim – Os líderes chineses abriram neste sábado em Pequim uma reunião-chave realizada anualmente, na qual abordarão o que se espera que seja um amplo leque de reformas para transformar o modelo de crescimento econômico do país.

A reunião dos 370 membros titulares e suplentes do Comitê Central do partido acontece a portas fechadas. O evento, que tem o nome oficial de III Plenário do Comitê Central do XVIII Congresso do Partido Comunista da China (PCCh), acontece até terça-feira.

O presidente da China e secretário-geral do PCCh, Xi Jinping, e o primeiro-ministro Li Keqiang enfrentam o desafio pensar medidas que permitam que a economia chinesa mantenha níveis de crescimento suficientes e sustentáveis, no momento em que seus motores dão sinais de que começaram a perder força. Os líderes chineses pretendem que o modelo atual, baseado nas exportações, dê lugar a outro baseado no consumo interno.

Isso, de acordo com analistas, requer reformas fundamentais, por exemplo, no sistema de autorização interna de residência (‘hukou’), que fixa a pessoa ao lugar onde nasceu sob pena de perder prestações como a educação dos filhos, o serviço médico ou a aposentadoria.

A incógnita que deve ser esclarecida na reunião de hoje é em que grau os dirigentes chineses estão dispostos a realizar reformas, e a levá-las à risca até o final.

Não são esperados muitos detalhes sobre o conteúdo da reunião até o dia de encerramento, quando tradicionalmente a agência oficial de notícias do país, ‘Xinhua’, envia um longo relatório. A imprensa estatal se limitou hoje a informar sobre o início do evento.

Durante as reuniões prévias, circularam documentos do Centro de Estudos do Conselho de Estado (o Legislativo chinês) com uma série de propostas que incluem a internacionalização do iuane em um prazo de dez anos e a liberalização das taxas de câmbio em três anos. Este documento, que será discutido durante o plenário, serve para dar uma ideia do tom geral das reformas que se tratadas, mas não tem caráter vinculativo.


No mês passado, o quarto líder em importância no regime, Yu Zhensheng, tinha assegurado que a reunião apresentaria reformas econômicas e sociais ‘sem precedentes’. Entre elas poderiam ser incluídas medidas para combater a poluição ou contra a corrupção, um dos principais males que afetam o país.

Ninguém espera, por outro lado, reformas no sistema político. O presidente Xi Jinping, que na próxima semana completa o seu primeiro ano no poder, deixou claro durante seu mandato que isso não faz parte de seus ideais. Confirmando isso, iniciou uma série de iniciativas que reafirmam o controle do regime, incluindo um endurecimento no controle sobre a internet e as redes sociais, uma via de escape dos cidadãos chineses para expressar suas opiniões.

Para a realização da reunião, a segurança foi reforçada em Pequim, especialmente depois que nas últimas duas semanas foram registradas duas explosões em lugares emblemáticos comunistas na China: a praça de Praça da Paz Celestial e uma sede provincial do Partido em Taiyuan, a capital da província de Shanxi.

Tradicionalmente na história do PCCh, as reuniões servem para introduzir importantes mudanças no regime. A primeira vez em que isso ocorreu foi em 1978, quando Deng Xiaoping anunciou as primeiras medidas que transformariam o modelo então rigidamente comunista da economia chinesa em outro adaptado às leis do mercado.