Kiev promete resposta dura a separatistas ucranianos

O governo ucraniano prometeu uma resposta dura aos separatistas pró-russos no leste do país se não aceitarem depor as armas

Kiev – Kiev promoteu uma “resposta dura” aos separatistas pró-russos no leste da Ucrânia se não aceitarem depor as armas, a poucas horas de expirar a trégua declarada pelo presidente Petro Poroshenko.

“Os mais razoáveis tiveram e terão talvez algumas horas a mais para aceitar as condições do plano de paz do presidente ucraniano. Caso contrário, responderemos de forma dura e adequada”, assegurou o ministro do Interior, Arsen Avakov, ao “Canal 5” da televisão ucraniana.

O prazo concedido por Poroshenko para a cessação do fogo no leste da Ucrânia, imerso em combates entre os insurgentes e as tropas ucranianas, expira hoje às 22h local (16h, em Brasília).

Além disso, o ministro denunciou de novo o descumprimento da trégua pelos separatistas, parte do plano de paz do líder ucraniano.

“No curso do chamado processo de paz (…) infelizmente tivemos mais de 20 mortos entre nossas fileiras, uma quantidade enorme de feridos e a paciência esgotada”, asseverou.

O ex-presidente ucraniano Leonid Kuchma, que representou Kiev nas negociações na sexta-feira entre os insurgentes e as autoridades, disse que a trégua estipulada estaria vigente até as 10h local da manhã de hoje.

No entanto, em um decreto publicado no site presidencial, fica evidente que Poroshenko fixou 22h como hora do fim da trégua.

O conselheiro do presidente, Yuri Lutsenko, afirmou anteriormente que se os rebeldes não atenderem à chamada de paz, as autoridades recorrerão ao chamado plano B, que prevê a eliminação dos insurgentes.