Dólar R$ 3,27 -0,54%
Euro R$ 3,65 0,07%
SELIC 11,25% ao ano
Ibovespa 1,36% 64.085 pts
Pontos 64.085
Variação 1,36%
Maior Alta 4,89% RADL3
Maior Baixa -6,09% JBSS3
Última atualização 26/05/2017 - 17:20 FONTE

Israel deixa de cooperar com Unesco por questão de Jerusalém

O rascunho de resolução da Unesco, patrocinado por diversos países árabes, usa apenas o nome islâmico para uma colina que é sagrada para judeus muçulmanos

Jerusalém – Israel suspendeu a cooperação com a Organização Educacional, Científica e Cultural das Nações Unidas (Unesco), um dia após a instituição ter adotado um rascunho de resolução que Israel afirma que nega a conexão histórica judaica a locais sagrados em Jerusalém.

O rascunho de resolução da Unesco, patrocinado por diversos países árabes, usa apenas o nome islâmico para uma colina que é sagrada para judeus muçulmanos, na qual se encontra o Muro das Lamentações.

A validação da resolução deve ocorrer na semana que vem e dificilmente uma mudança no nome deve ser feita. Os judeus se referem ao local como Monte do Templo e os muçulmanos o chamam de Santuário Nobre, aonde está a mesquita de Al-Aqsa e o Domo Dourado.

É o local mais sagrado para o judaísmo e o terceiro mais sagrado para o islamismo, após Meca e Medina na Arábia Saudita.

O ministro de Educação de Israel, Naftali Bennet, informou a diretora-geral da Unesco, Irina Bokova da decisão do país nesta sexta-feira.

“Após a decisão vergonhosa dos membros da Unesco de negarem a história e ignorarem centenas de anos da ligação judaica com Jerusalém e com o Monte do Templo, eu notifiquei a Comissão Nacional de Israel para a Unesco para suspender todas as atividades profissionais com a organização internacional”, disse Bennet.

Israel anexou Jerusalém Oriental, aonde estão localizados locais sagrados para judeus, cristãos e muçulmanos, em 1967 na Guerra dos Seis Dias. Os palestinos afirmam que o território deve ser parte de seu futuro estado e seu destino é uma disputa central.

“A herança de Jerusalém é indivisível e todas as suas comunidades têm o direito do reconhecimento total de sua história e relacionamento com a cidade”, afirmou Bokova, em comunicado. Fonte: Associated Press.