Iraque declara vitória sobre Estado Islâmico em Mosul

Primeiro-ministro do Iraque parabenizou o exército pela "vitória" sobre o EI em pronunciamento

Mosul – O primeiro-ministro iraquiano, Haider al-Abadi, chegou em Mosul neste domingo e parabenizou as Forças Armadas por sua “vitória” sobre o Estado Islâmico após quase nove meses de guerra urbana, pondo um fim aos três anos de comando jihadista na cidade.

A batalha deixou grandes partes de Mosul em ruínas, matou milhares de civis e desalojou quase um milhão de pessoas. O Estado Islâmico, entretanto, ainda controla territórios no Iraque e deve voltar a táticas insurgentes mais convencionais como bombardeios no momento em que seu auto-proclamado califado é desmantelado.

“O comandante das Forças Armadas (primeiro-ministro) Haider al-Abadi chegou na cidade liberta de Mosul e parabenizou os combatentes heróicos e o povo iraquiano pela grande vitória”, disse seu gabinete em comunicado.

Os corpos de militantes mortos estão estirados nas estreitas ruas da Cidade Velha de Mosul, onde o Estado Islâmico organizou a última posição contra as forças iraquianas apoiadas pela coalizão liderada pelos EUA.

O grupo jurou “lutar até a morte” em Mosul, mas o porta-voz do Exército iraquiano, general-brigadeiro Yahya Rasool, disse à TV estatal que 30 militantes haviam sido mortos tentando escapar nadando o Rio Tigre, que divide a cidade.

Encurralados em uma área cada vez menor, os militantes recorreram à estratégia de enviar mulheres-bomba entre os milhares de civis que estão saindo do campo de batalhas feridos, mal-nutridos e temerosos.

A batalha também provocou grandes forças nas forças de segurança do Iraque.

O governo iraquiano não revela números de mortos, mas um pedido de financiamento do Departamento de Defesa dos EUA afirmou que o Serviço de Contra-Terrorismo de elite, que liderou a luta em Mosul, sofreu 40 por cento de perdas.

O Departamento de Defesa pediu 1,269 bilhão de dólares em fundos do orçamento norte-americano para 2018 para continuar apoiando forças iraquianas.

Faz quase três anos que o líder do grupo de linha dura Abu Bakr al-Baghdadi proclamou o “califado”, que abrange a Síria e o Iraque do púlpito da mesquita medieval Grand al-Nuri.

Abadi declarou o fim do “estado de falsidade” do Estado Islâmico há uma semana, após forças de segurança retomarem a mesquita – ainda que apenas depois que os militantes em retirada a explodiram.

As Nações Unidas previram que custará mais de 1 bilhão de dólares para reparar a infraestrutura básica em Mosul. Em algumas das áreas mais afetadas, quase nenhum prédio parece ter escapado ao dano e a densa construção de Mosul significa que a extensão da devastação pode ter sido subestimada, disseram autoridades da ONU.