Importante setor do Vaticano pode ter sido usado para crime

Inspetores suspeitam que departamento que supervisiona investimentos pode ter sido usado para lavagem de dinheiro, troca de informações e manipulação de mercado

Cidade do Vaticano – Investigadores financeiros do Vaticano suspeitam que um departamento da Santa Sé que supervisiona imóveis e investimentos pode ter sido usado no passado para lavagem de dinheiro, troca de informações confidenciais e manipulação de mercado, de acordo com um relatório visto pela Reuters.

A informação do documento confidencial, que cobre o período entre 2000 e 2011, foi encaminhada para ser averiguada por investigadores italianos e suíços porque parte das atividades ligadas às contas ocorreu supostamente nestes países, disse uma fonte de alto escalão do Vaticano.

Embora a maior parte da atenção da mídia às finanças nebulosas do Vaticano se concentre há décadas em seu banco oficial, o Instituto para as Obras de Religião (IOR, na sigla em italiano), um departamento chamado Administração do Patrimônio da Santa Sé (APSA) atuou com plenos poderes em temas financeiros.

A APSA, uma espécie de escritório geral de contabilidade, administra os imóveis do Vaticano em Roma e outros locais da Itália, paga os salários dos funcionários do Vaticano e atua como uma agência de aquisições e um departamento de recursos humanos.

Uma de suas duas divisões também gerencia o portfólio de finanças e ações do Vaticano. O relatório de 33 páginas apresenta a suspeita de que esta divisão foi usada por alguém de fora para negócios sem relação com o Vaticano com a possível cumplicidade de funcionários da APSA, o que violaria suas próprias regras.

A investigação interna é parte de uma iniciativa do papa Francisco de dar rédea solta para as autoridades financeiras do Vaticano analisarem o problema a fundo, sobrepujando alguns cardeais que prefeririam esquecer o passado agora que o Vaticano adotou grandes reformas e instituiu controles para impedir práticas irregulares.

Com Francisco no comando, o Vaticano reformou seu banco assolado por escândalos, deu mais poder à sua Autoridade de Inteligência Financeira, nomeou seu primeiro auditor-geral e criou um novo ministério para supervisionar as atividades econômicas de todos seus departamentos, que anteriormente usavam seus orçamentos com pouco ou nenhum controle.

Não ficou claro se isso bastará para trazer transparência financeira total para o tradicionalmente sigiloso Vaticano.