Igreja argentina declara guerra a roupas provocantes

"Vestimenta não permitida: minissaia, roupa apertada, shorts, roupa de ginástica, camiseta que exiba o umbigo, transparências e calças justas", diz igreja

Cansado de ver em sua igreja mulheres vestindo minissaias, decotes provocantes e calças apertadas, um padre argentino colocou um cartaz na entrada do templo para advertir os fiéis com fotos a respeito de qual deve ser o “traje cristão”.

“Vestimenta não permitida dentro do templo: minissaia, roupa apertada, shorts, roupa de ginástica, camiseta que exiba o umbigo, transparências e calças justas”, diz o enorme letreiro com fotos didáticas e letras em vermelho.

O fato ocorreu na igreja San Isidro Labrador, em Zárate, 90 km a noroeste de Buenos Aires, por iniciativa de seu sacerdote, o argentino Carlos Scarlata.

“Uma mulher vestindo uma calça (legging), está mal vestida. Você não é homem? Não sente nada? Os homens que estão atrás… O ‘cara’ começa a olhar para todos os lados, porque (a mulher) insinua, porque está excitando”, declarou nesta terça-feira à imprensa o religioso.

A iniciativa também explica às fiéis qual é a roupa considerada adequada para entrar na igreja como cristã digna: “roupa larga, sem decotes, com mangas, e saia abaixo do joelho”.

“Esta é a casa de Deus e a porta do céu!!”, recorda o letreiro que cita um versículo da Bíblia atribuído a Timóteo (2,9): “Que as mulheres se vistam com roupa recatada, com pudor e modéstia”.

Também colocou um cartaz dirigido aos homens em que adverte que não podem ir de bermudas ou camisas sem manga.

Procurado pela imprensa na porta de sua igreja, o padre repreendeu aborrecido um dos jornalistas.

“Você não sente nada quando passa uma mulher? Você é homem? Que psicologia você tem? Se Deus te deu a graça…”, disse o religioso para espanto dos repórteres.

O padre terminou a entrevista de forma abrupta ao justificar que devia ir a um encontro com o bispo, justamente por conta de sua polêmica iniciativa.