Hillary e Trump estão empatados em três estados-chave

Eles empatam em intenções de voto em três estados-chave, Flórida, Ohio e Pensilvânia, a seis meses das eleições de novembro em EUA

Washington – O virtual candidato republicano à Casa Branca, Donald Trump, e a favorita à indicação democrata, Hillary Clinton, empatam em intenções de voto em três estados-chave, Flórida, Ohio e Pensilvânia, a seis meses das eleições de novembro em EUA, segundo uma pesquisa divulgada nesta terça-feira.

A pesquisa, realizada pela Universidade Quinnipiac, indicou que Hillary tem 43% das intenções de voto na Flórida contra 42% de Trump, mesmas porcentagens da Pensilvânia.

Quanto a Ohio, Trump tem 43% e Hillary 39%, de acordo com a pesquisa, realizada entre 27 de abril e 8 de maio com mais de mil eleitores em cada estado, e cuja margem de erro é de três pontos percentuais.

Desde 1960, nenhum candidato presidencial ganhou as eleições nos EUA sem vencer em pelo menos dois desses três estados, considerados “dobradiça”.

O diretor adjunto do instituto de pesquisas de Quinnipiac, Peter Brown, ressaltou em comunicado que, neste momento, Trump está mais bem posicionado na Pensilvânia do que estiveram os candidatos republicanos à Casa Branca em 2008 e 2012, John McCain e Mitt Romney, respectivamente.

Além disso, Brown avaliou que “a brecha de gênero” quanto às intenções de voto “é enorme e atualmente beneficia Trump”.

Por exemplo, Hillary lidera na Pensilvânia entre as mulheres com 19 pontos de vantagem, mas Trump é o favorito entre os homens, com 21 pontos à frente da ex-secretária de Estado.

Uma situação parecida se repete em Ohio, onde Hillary tem 7 pontos de vantagem entre as mulheres, mas está 15 pontos abaixo de Trump entre os homens.

Nos três estados, e por amplas margens, os eleitores consideram que Hillary é mais inteligente que Trump.

No entanto, os eleitores de Flórida e Ohio acham que Trump faria um trabalho melhor que Hillary na Casa Branca em economia e na luta contra o terrorismo.

A Trump faltam menos de 200 delegados para somar os 1.237 necessários para ser oficialmente nomeado o candidato presidencial republicano e, sem rivais no caminho após a retirada de Ted Cruz e John Kasich, a única incógnita pendente é quando este momento chegará.

Já Hillary Clinton continua a ter um rival, o senador Bernie Sanders, mas está perto dos 2.383 delegados necessários para receber a nomeação como candidata democrata, graças em parte aos “superdelegados”, funcionários eleitos do partido que também podem votar na convenção democrata, que será realizada em julho.