Governos devem considerar águas residuais um recurso, diz ONU

Mundialmente, mais de 80 por cento das águas residuais são lançadas em rios e lagos sem tratamento

Londres – As águas residuais de residências, indústrias e agronegócio não deveriam ser vistas como um problema, mas como um recurso que poderia ajudar a atender demandas de água, energia e nutrientes de uma população global crescente, disse um especialista de água da Organização das Nações Unidas (ONU).

Mundialmente, mais de 80 por cento das águas residuais são lançadas em rios e lagos sem tratamento, criando um impacto negativo na saúde e no meio ambiente, de acordo com o Relatório de Desenvolvimento Mundial da Água de 2017 da ONU, publicado nesta quarta-feira.

A poluição de dejetos humanos e animais afeta quase um de cada três rios na América Latina, Ásia e África, colocando milhões de vidas em risco, afirma o documento.

Mas as águas residuais contêm nutrientes, como fósforo e nitratos, que podem ser transformados em fertilizante, explicou Richard Connor, editor-chefe do relatório.

O lixo industrial tratado pode ser convertido em biogás, que por sua vez poderia alimentar estações de tratamento de águas residuais ou ser vendido no mercado, acrescentou.

“As águas residuais em si mesmas são um recurso valioso, até o termo águas residuais é um oximoro”, disse Connor à Thomson Reuters Foundation.

“Precisamos parar de vê-las como um fardo a ser tratado. Não são um resíduo e não deveriam ser um resíduo, especialmente neste mundo de água escassa”, disse ele por telefone de Perúgia, na Itália.

Como a população global deve aumentar em um terço e chegar a mais de 9 bilhões até 2050, o mundo irá necessitar de 55 por cento a mais de água e 70 por cento a mais de energia, segundo a ONU.

O crescimento populacional também irá criar um aumento de 70 por cento na demanda por alimento, elevando a pressão sobre a água usada na agricultura, a maior consumidora deste recurso natural.

Mais pessoas também significam mais águas residuais, inclusive de saneamento, que governos prometeram melhorar como parte das metas de desenvolvimento acordadas pelos países-membros da ONU em 2015.

O aumento das águas residuais é um dos maiores desafios associados com o crescimento de assentamentos informais em cidades que se expandem rapidamente nos países em desenvolvimento, informou o relatório.

Connor disse que, embora as águas residuais sejam um recurso valioso, o que muitas vezes impede os governos de investir em estações de tratamento é o custo, e o que desestimula as pessoas a usá-las é o “fator eca”.

Mas a Estação Espacial Internacional está usando a mesma água há 17 anos, argumentou.

Ele acrescentou que nem toda a água precisa ser tratada para ser potável, mas até um nível no qual é seguro usá-la em indústrias, municipalidades, agricultura ou para resfriar usinas de energia.