Governo Maduro surpreende com ato na sede do Parlamento

Durante a solenidade, simpatizantes do governo chegaram a invadir o Parlamento com violência e o caos se instalou

O governo venezuelano fez, nesta quarta-feira (5), um surpreendente ato na sede do Parlamento, por ocasião do Dia da Independência.

Maioria na Casa, a oposição reagiu, chamando o ato de “assalto” e “provocação para gerar violência”.

Durante a solenidade, simpatizantes do governo chegaram a invadir o Parlamento com violência, de fato, e o caos se instalou.

Dezenas de pessoas, algumas encapuzadas, com pedaços de pau nas mãos e vestidas de vermelho, tomaram os jardins do Palácio Legislativo e detonaram rojões, gerando muita confusão.

A cerimônia, que não estava prevista na agenda do Legislativo, foi liderada pelo vice-presidente Tareck El Aissami, que chegou acompanhado do ministro da Defesa e chefe da Força Armada, Vladimir Padrino López, assim como de membros do gabinete e de partidários chavistas.

Durante o evento, expôs-se a ata de Independência do país, firmada há 206 anos.

El Aissami fez um discurso de cerca de 15 minutos, no qual acusou a oposição de “sequestrar” o Poder Legislativo. Os adversários de Maduro dominam a Casa, com folga, desde sua esmagadora vitória nas urnas em dezembro de 2015.

“Estamos precisamente nas instalações de um poder do Estado que foi sequestrado pela mesma oligarquia que traiu Bolívar e sua causa”, disse o vice-presidente, deflagrando aplausos dos convidados.

A crise política venezuelana se encontra em uma fase de alta tensão por protestos da oposição que deixaram 91 mortos em três meses e pela convocação de uma Assembleia Constituinte, por parte do presidente Nicolás Maduro.

O vice El Aissami advertiu que Maduro não se renderá, nem cederá em seu propósito de levar a Constituinte adiante.

“Aqui está um presidente digno que nunca se renderá, nem permitirá que a Venezuela seja colônia de qualquer potência estrangeira”, declarou.

“Foi um assalto ao Palácio Federal. Isso podia ter sido feito em coordenação com a mesa-diretora da Assembleia”, criticou o deputado Tomás Guanipa, antes da cerimônia parlamentar especial.

Já o ex-presidente da Assembleia, o ex-deputado Henry Ramos Allup, disse não se surpreender com essa “provocação”. Para ele, o governo está disposto a “qualquer coisa”, do mesmo modo que a Constituinte foi convocada sem um referendo consultivo prévio.

“É um governo terminal sustentado pelas baionetas e pelas decisões do Tribunal Supremo da Justiça”, denunciou Ramos Allup.

Veja também