Governo israelense quer proibir o uso de símbolos do Holocausto

A nova lei penaliza com até seis meses de prisão e multas que podem chegar a US$ 25 mil quem utilizar este tipo de simbologia

Jerusalém – O Comitê Ministerial de Legislação israelense aprovou nesta segunda-feira um projeto de lei que proíbe a utilização de símbolos do Holocausto, após a polêmica causada pelo uso por manifestantes ultraortodoxos, que, ao seu ver, são perseguidos por Israel.

A nova lei penaliza com até seis meses de prisão e multas que podem chegar a US$ 25 mil quem utilizar este tipo de simbologia, informou a agência de notícias ‘Ynetnews’.

Porém, o Ministério da Justiça se opôs a esta legislação, por considerar que vai contra a liberdade de expressão.

O projeto ainda deve ser validado pelo Conselho de Ministros e enviado ao Parlamento para sua aprovação.

A polêmica surgiu no último dia de dezembro, quando centenas de ultraortodoxos se manifestaram na praça central do bairro de Mea Shearim, em Jerusalém, para protestar contra a agressividade dos seculares em relação a sua comunidade, após críticas da imprensa em relação à forma como este grupo trata suas mulheres.

Vários manifestantes, entre eles crianças, usavam no braço uma faixa amarela com a estrela de Davi imposta pelos nazistas à população judaica antes da Segunda Guerra Mundial e alguns se vestiram com uniformes de listras brancas e azuis, assim como os presos judeus nos campos de concentração.

Os principais líderes e políticos israelenses condenaram duramente o protesto, por considerarem uma profanação da memória dos 6 milhões de judeus assassinados pelos nazistas.

O ministro sem pasta Yossi Peled, sobrevivente dos campos de concentração, garantiu que seu ‘sangue congelou imediatamente’ ao ver as imagens da manifestação.

Ehud Barak, ministro da Defesa, também condenou o fato, classificando como ‘aberração’ o uso das faixas amarelas e considerou que os ultraortodoxos ‘passaram dos limites’.