Governo do Mali decreta estado de emergência por 10 dias

O estado de emergência responde as "ações de luta contra o terrorismo, o crime organizado e todas as formas de ameaça ou atentado à paz e a segurança"

Bamaco – O governo do Mali decretou ontem à noite o estado de emergência por dez dias, vigentes a partir da meia-noite de hoje, devido à “persistência da ameaça terrorista”, após o sangrento ataque jihadista de terça-feira contra um quartel em Nampala (centro), que causou a morte de 17 soldados.

O estado de emergência tinha estado vigente em todo o país durante três meses, e foi encerrado em 15 de julho, embora o Estado esteja longe da desejada estabilidade e sejam muitos os ataques terroristas.

O Conselho de Ministros considerou ontem à noite que o estado de emergência – que suspende vários direitos da população – responde as “ações de luta contra o terrorismo, o crime organizado e todas as formas de ameaça ou atentado à paz e a segurança das pessoas e seus bens”.

O presidente Ibrahim Boubacar Keita viaja hoje a Segou para participar dos funerais dos soldados mortos no ataque a Nampala, e para visitar os vários militares feridos.

Até o momento, persistem dúvidas sobre o total de militares desaparecidos nos ataques, que segundo algumas fontes poderiam ser até 20, mas o governo não ofereceu informações a respeito.

O ataque em Nampala, que teve várias fases, foi reivindicado por dois grupos jihadistas locais, Ansar Dine (aliado a Al Qaeda no Magrebe Islâmico) e um novo grupo jihadista peuhl (etnia negra do centro do país), que, além de causar uma grande mortandade, conseguiram se apoderar de todo o arsenal do quartel de Nampala.