França investiga novas ameaças contra revista Charlie Hebdo

As novas ameaças foram feitas no perfil oficial do "Charlie Hebdo" no Facebook

Paris – A França está investigando novas ameaças contra a revista satírica “Charlie Hebdo”, alvo em janeiro de 2015 de um atentado jihadista que deixou 12 mortos, informou nesta sexta-feira o jornal “Le Parisien”.

As novas ameaças foram feitas no perfil oficial do “Charlie Hebdo” no Facebook, que no último mês de julho, segundo esse jornal, recebeu cerca de 60 “mensagens apavorantes, insultos e declarações antissemitas”.

A investigação está sob responsabilidade da Brigada de Repressão da Delinquência contra a Pessoa (BRDP), a mesma designada em outra investigação aberta no último dia 22 de junho por ameaças similares.

Nesta ocasião, as mensagens chegaram após sua capa de meados de julho, quando, em plena Eurocopa, o jogador francês Antoine Griezmann foi desenhado em forma de vibrador junto com um texto que dizia “Façam-nos vibrar!”.

Em outra de suas edições, também polêmica, foi publicado o desenho de um casal em uma praia. O homem, com espessa barba longa da qual saía seu pênis, corre ao lado da mulher, com véu, mas também nua, ao lado da mensagem “Muçulmanos, desinibam-se!”.

Desde os ataques realizados pelos irmãos terroristas Said e Chérif Kouachi em 7 de janeiro do ano passado, os integrantes da redação do “Charlie Hebdo” recebem proteção policial.

O “Le Parisien” destacou hoje em seu site que uma das ameaças recebidas em julho mencionava um novo atentado.