Forças do governo trabalham para cercar Donetsk, na Ucrânia

Conselheiro de ministro disse que retirada dos rebeldes marcou um ponto de virada no conflito e que a Ucrânia irá pressionar até que separatistas se rendam

Moscou – Forças de segurança da Ucrânia se mobilizam nesta segunda-feira para cercar a cidade oriental de Donetsk, onde rebeldes pró-Rússia se reagruparam depois de terem sido expulsos de várias fortalezas ao longo do final de semana, ao mesmo tempo que um alto funcionário em Kiev disse que o conflito chegou a um ponto crucial.

“Combatentes com armas foram impedidos de sair de Donetsk”, disse o conselheiro do ministro do Interior, Anton Gerashchenko, em coletiva reportada pelos meios de comunicação locais.

“A moral dos militantes, de acordo com a nossa inteligência, é extremamente baixa, porque eles se sentem abandonados, traídos e enganados.”

O conselheiro disse que a retirada dos rebeldes marcou um ponto de virada no conflito e que a Ucrânia tem a intenção de manter a pressão até que os separatistas se rendam.

Por outro lado, combatentes rebeldes disseram que pretendem lutar até o fim na capital regional de cerca de 1 milhão de pessoas, mas expressaram descontentamento com Moscou, de quem esperavam apoio.

A Rússia tem sido acusada de fornecer armas e combatentes aos separatistas, o que é negado repetidamente pelo Kremlin, mas parece ter afastado o seu interesse no conflito no país após ter cancelado no Parlamento o pedido de intervenção militar no país vizinho.

Os combatentes pareciam estar se mobilizando para um cerco, tendo explodido três pontes na cidade de Donetsk e cortando as vias de acesso principais, disseram autoridades do governo.

Os insurgentes também detonaram uma ponte ferroviária na região vizinha de Luhansk, relataram as autoridades.

As força do governo também trabalharam para solidificar o controle sobre uma série de cidades que os rebeldes abandonaram no final de semana.

Na segunda-feira, o presidente Petro Poroshenko disse que a bandeira ucraniana estava sendo levada de volta ao topo do edifício da Câmara Municipal em Konstantinovka, uma pequena cidade ao norte de Donetsk, que estava sob controle separatista desde a revolta que começou em abril.

As forças militares na Ucrânia também relataram sucessos nas operações na retomada da cidade de Sloviansk e dos postos de fronteira com a Rússia no oblast de Luhansk.

O impulso militar por parte da Ucrânia veio depois que representantes do país e da Rússia se reuniram com mediadores internacionais em Kiev no domingo para conversas tensas, disse o ministro das Relações Exteriores da Alemanha, Frank-Walter Steinmeier, nesta segunda-feira.

“À medida que nós falávamos, as negociações extremamente difíceis”, disse Steinmeier.

Ao contrário das duas rodadas anteriores de negociações, os representantes dos separatistas não compareceram à reunião de domingo.

“Mesmo que a situação no leste da Ucrânia tenha mudado em favor das forças de segurança ucranianas, não haverá solução puramente militar para o conflito, especialmente porque a maioria dos separatistas está francamente inserida em Donetsk”, disse Steinmeier.

Fonte: Dow Jones Newswires.