Dólar R$ 3,27 -0,54%
Euro R$ 3,65 0,07%
SELIC 11,25% ao ano
Ibovespa 1,36% 64.085 pts
Pontos 64.085
Variação 1,36%
Maior Alta 4,89% RADL3
Maior Baixa -6,09% JBSS3
Última atualização 26/05/2017 - 17:20 FONTE

Finlândia detonou míssil russo para esclarecer caso de MH17

A Finlândia tinha em seu poder mísseis antiaéreos Buk de fabricação russa similares aos que, segundo os primeiros indícios, derrubaram o avião

Helsinque - O presidente da <a href="http://www.exame.com.br/topicos/finlandia"><strong>Finlândia</strong></a>, Sauli Niinistö, confirmou nesta sexta-feira que seu país detonou em segredo um míssil antiaéreo <a href="http://www.exame.com.br/topicos/russia"><strong>russo </strong></a>Buk para auxiliar as autoridades da Holanda a esclarecer a queda do voo MH17 da <a href="http://www.exame.com.br/topicos/malaysia-airlines"><strong>Malaysia Airlines</strong></a> em julho de 2014, no qual morreram 298 pessoas.</p>

Niinistö convocou uma entrevista coletiva de urgência para explicar o papel da Finlândia nas investigações do grupo de analistas internacionais que na quarta-feira apresentaram um relatório, onde concluem que o avião foi abatido por um míssil Buk usado desde Rússia a uma zona do leste da Ucrânia controlada por separatistas pró-Rússia.

O líder finlandês se mostrou inusualmente zangado em seu encontro com a imprensa devido ao vazamento a um meio holandês dos testes realizados na Finlândia por parte de alguém próximo à investigação.

Segundo Niinistö, a Promotoria holandesa entrou em contato com as autoridades finlandesas no outono de 2014 para pedir ajuda na investigação, já que a Finlândia tinha em seu poder mísseis antiaéreos Buk de fabricação russa similares aos que, segundo os primeiros indícios, derrubaram o avião.

Entre outros testes, a Promotoria holandesa pediu à Finlândia que detonasse um dos mísseis e enviasse os restos do projétil para que pudessem ser examinados por especialistas.

“Nessa solicitação, a Holanda pediu que o assunto fosse levado totalmente em segredo até que fosse apresentadas acusações e se iniciasse o processo penal, momento no qual seriam revelados os testos realizados na Finlândia”, afirmou Niinistö.

O presidente e o governo finlandês decidiram ter acesso ao pedido holandesa e manter os testes técnicos em segredo, apesar da cláusula de confidencialidade do contrato de compra dos mísseis Buk e a possível reação da Rússia.

“O pedido da Holanda nos causou muitas dores de cabeça e longas reflexões. Certamente que a Finlândia queria ajudar a resolver esse horrível crime, mas existiam as limitações do direito internacional do comércio”, disse Niinistö.

As autoridades finlandesas informaram ao Kremlin do pedido da Promotoria holandesa no final de 2014 e comunicaram que pensavam rm colaborar na investigação da tragédia, embora não chegaram a tratar o tema de forma bilateral.

Desde então, a Finlândia enviou “material” à Holanda várias vezes, segundo Niinistö, embora sempre tentando respeitar as condições de confidencialidade do contrato assinado com a Rússia.