Ex-agente do FBI admite que mentiu em julgamento de mafioso

O ex-agente especial do FBI afirmou que havia tentado romper os laços do FBI com o criminoso de Boston para levá-lo à justiça

Um ex-agente do FBI se declarou culpado na segunda-feira de perjúrio e obstrução da justiça ao admitir que mentiu em 2013 durante o julgamento do outrora chefe da máfia em Boston, James “Whitey” Bulger.

No julgamento, o ex-agente especial do FBI Robert Fitzpatrick, de 76 anos, afirmou que havia tentado romper os laços do FBI com o criminoso de Boston, que chegou a atuar como informante, para levá-lo à justiça, mas teria sido desautorizado por seus superiores.

Fitzpatrick se declarou culpado das 12 acusações apresentadas contra ele pela promotoria.

“A admissão de culpa do senhor Fitzpatrick de todas as acusações deixa claro as consequências de mentir a uma corte federal”, destacou a promotora federal Carmen Ortiz.

“Neste caso, o fato de o acusado ser um ex-oficial da lei de alta hierarquia torna sua conduta mais atroz”, completou.

Como agente especial, Fitzpatrick supervisionou o programa de combate ao crime organizado em Boston entre 1981 e 1986, período em que Bulger foi acusado de envolvimento em oito homicídios enquanto atuava como informante do FBI.

Se o juiz federal F. Dennis Saylor aceitar a admissão de culpa, Fitzpatrick pode ser condenado a 24 meses de liberdade condicional e a pagar uma multa de 13.700 dólares.

A sentença será anunciada em 5 de agosto.

Bulger, de 86 anos, foi condenado à prisão perpétua depois de ter sido declarado culpado de 11 homicídios. Ele passou vários anos foragido antes de ser detido.

Uma versão da história de Bulger foi adaptada para o cinema no ano passado com “Aliança do Crime”, no qual o astro Johnny Depp interpreta o criminoso.