Dólar R$ 3,27 -0,54%
Euro R$ 3,65 0,07%
SELIC 11,25% ao ano
Ibovespa 1,36% 64.085 pts
Pontos 64.085
Variação 1,36%
Maior Alta 4,89% RADL3
Maior Baixa -6,09% JBSS3
Última atualização 26/05/2017 - 17:20 FONTE

EUA retira sanções a 28 empresas e pessoas vinculadas a Cuba

A maioria delas estava radicada em diversos países latino-americanos como o México, Argentina, Panamá, além de Japão, Reino Unido e Holanda

O Departamento do Tesouro dos Estados Unidos retirou nesta sexta-feira de sua lista de sanções 28 pessoas e empresas que atuavam como intermediários comerciais do governo de Cuba, no processo de normalização de relações entre os países iniciado em 2014.

A maioria delas estava radicada em diversos países latino-americanos como o México, Argentina, Panamá, além de Japão, Reino Unido e Holanda.

Estas empresas se dedicavam ao comércio de uma grande variedade de setores, desde o agropecuário, ao turístico, industrial e de serviços.

Entre elas estão a Caribsugar, com sede em Londres, a Nippon-Caribbean, em Tóquio; a Corporación Argentina De Ingeniería y Arquitectura, em Buenos Aires; a Curef Metal, em Roterdã; a Exportadora del Caribe, na Cidade do México; e a Mariscos de Farallón, no Panamá.

O anúncio também menciona os panamenhos Alejandro Abood Angelini e Carlos Alfonso González, e os mexicanos Carlos Domínguez, da Viñales Tours; Wilfred Eggleton e Guadalupe Ortiz, da Cubanatur, e Daniel García, da Proarte, entre outros.

Nas últimas semanas, Cuba e EUA aceleraram a assinatura de convênios e visitas bilaterais para avançar ao máximo no processo de normalização antes da chegada à Casa Branca de Donald Trump, abertamente contrário à política de aproximação de Barack Obama.

Em dezembro de 2014, Obama e o presidente cubano, Raúl Castro, anunciaram o restabelecimento das relações diplomáticas após mais de 50 anos congeladas.

Desde então, o governo americano suavizou o embargo mediante uma série de medidas executivas que permitiram, entre outras coisas, o restabelecimento dos voos comerciais e os investimentos em setores como o tecnológico, mas retirada completa do bloqueio está nas mãos do Congresso, de maioria republicana, contrária à medida.