Dólar R$ 3,27 -0,31%
Euro R$ 3,65 -0,19%
SELIC 11,25% ao ano
Ibovespa 0,70% 63.103 pts
Pontos 63.103
Variação 0,70%
Maior Alta 3,10% BBAS3
Maior Baixa -2,75% JBSS3
Última atualização 24/05/2017 - 10:24 FONTE

EUA devem responder por prejudicar economia da Síria, diz Rússia

O general russo lembrou os Estados Unidos não participaram das negociações para o cessar-fogo vigente na Síria desde 30 de dezembro

Moscou – O porta-voz do Ministério da Defesa da Rússia, general Igor Konashenkov, advertiu nesta quarta-feira que os Estados Unidos “deverão responder cedo ou tarde” pelo prejuízo causado por seus bombardeios à econômica da Síria para enfraquecer o governo legítimo de Bashar al Assad.

Ele respondeu assim às acusações feitas pelo diretor da CIA, John Brennan, que, em entrevista a um canal americano, acusou à Rússia de usar a “tática de terra queimada” na Síria e de “promover seus interesses onde há vazio político ou conflitos”.

“As tentativas de Brennan de se prevenir com suas declarações não lhe salvarão. Sabe bem que muito antes da operação russa, a coalizão internacional destruía metodicamente toda à infraestrutura econômica da Síria, apesar de todos os danos à população civil que originaram a fuga de milhões de pessoas”, denunciou Konashenkov.

Segundo ele, “somente as jazidas de petróleo conquistadas pelo Estado Islâmico se salvaram de forma inexplicável dos bombardeios” americanos, o que permitiu que guerrilheiros ganhassem milhões de dólares mensalmente com a venda ilegal do petróleo e recrutassem mercenários pelo mundo.

O general russo lembrou os Estados Unidos não participaram das negociações para o cessar-fogo vigente na Síria desde 30 de dezembro, e que foi alcançado com a mediação da Rússia, da Turquia e do Irã.

“O resultado foi conseguido sem a administração atual dos Estados Unidos, sem a CIA”, concluiu Konashenkov.