Esta foto soluciona o mistério da morte de Amelia Earhart?

Imagem sem data e encontrada no acervo do Arquivo Nacional sugere que aviadora e seu colega, Fred Noonan, teriam sobrevivido a acidente com aeronave

São Paulo – Uma foto inédita e não datada reacendeu o debate em torno de um dos maiores mistérios da aviação: o que, afinal, aconteceu com a aviadora Amelia Earhart e o navegador Fred Noonan. Eles desapareceram no Pacífico em 2 de julho de 1937 enquanto tentavam dar a volta ao mundo a bordo da aeronave Lockheed 10E Electra.

A foto foi encontrada por um pesquisador amador no acervo do Arquivo Nacional dos Estados Unidos e foi registrada nas Ilhas Marshall, na época administradas pelo Japão.

A imagem mostra uma mulher de cabelos curtos sentada em um píer e em meio a um grupo de pessoas. Há quem acredite que essa moça pudesse ser Amelia e que um dos homens seria Noonan. Veja abaixo os destaques:

Foto do Arquivo Nacional dos EUA

Essa evidência reforçaria uma das teses mais populares sobre o sumiço da dupla: a de que a aeronave pilotada por Amelia teria realizado um pouso forçado nas Ilhas Marshall.

Essa teoria diz, ainda, que ambos sobreviveram ao incidente e terminariam seus dias como prisioneiros do exército japonês. No entanto, autoridades japonesas negam que isso tenha ocorrido.

A fotografia virou tema de um documentário do History Channel que estreará neste final de semana e que promete detalhar essa descoberta. A produção ouviu pesquisadores que avaliaram a imagem e acreditam que a mulher em questão é muito parecida com Amelia e que o cabelo do homem é parecido com o de Noonan.

“Em um primeiro momento, não percebi nada de especial (na foto) ”, disse à Reuters Gary Tarpinian, um dos produtores do documentário. Mas, continuou, o pesquisador que a encontrou começou a reforçar o porquê de achar que aquela moça poderia ser a aviadora, deixando o produtor intrigado.

Teorias conflitantes

Embora foco de um documentário, essa teoria foi alvo de críticas pelo grupo The International Group for Historic Aircraft Recovery (TIGHAR) que investiga há anos outra hipótese para o sumiço da dupla: a de que teriam pousado e morrido na ilha de Nikumaroro, antes chamada Ilha Gardner. (Relembre aqui essa história)

“Posso mostrar dezenas de fotos de Amelia nos últimos dias da viagem. E o cabelo dela está mais curto do que isso. E aquele não parece Noonan”, disse Ric Gillepsie, um dos líderes do TIGHER. A entidade deu início a uma nova expedição à ilha no final de junho em busca dos restos mortais da dupla. Dessa vez, no entanto, vão acompanhados de cães farejadores.

Outra especialista que mostrou ceticismo quanto à legitimidade da teoria abordada no documentário é Dorothy Cochrane, diretora do departamento aeronáutico do Museu do Ar e Espaço do Instituto Smithsonian. “Ela não me persuadiu”, disse à CNN.

A especialista continuou dizendo que, apesar de a teoria sustentada pelo documentário ser interessante, ela não é definitiva, já que a foto não prova nada. Dorothy segue na linha sustentada por sua instituição e que prevê que a aeronave ficou sem combustível e caiu em algum lugar do Pacífico.