Empate nos EUA; iPhone esgotado…

Trump e Hillary empatados

Uma pesquisa divulgada pelo The New York Times e pela rede de televisão CBS mostra um empate técnico nas eleições presidenciais americanas. Enquanto Hillary Clinton tem 46% das intenções de voto, o republicano Donald Trump conta com 44% dos eleitores. Nesta quinta-feira, Hillary reiniciou suas atividades de campanha, após dois dias de pausa devido a problemas de saúde — a ex-secretária de Estado foi diagnosticada com pneumonia e chegou a passar mal num evento no domingo 11. Seu comitê de campanha anunciou que o ex-pré-candidato Bernie Sanders e a senadora Elizabeth Warren, de alas mais à esquerda do Partido Democrata, farão campanha por ela em Ohio no sábado 17. Enquanto isso, o republicano Donald Trump discursou sobre seus planos econômicos e disse que, sob sua gestão, o PIB americano poderá crescer mais de 4%, o dobro da média dos últimos anos.

iPhone 7 esgotado

A empresa de tecnologia Apple anunciou que as unidades do novo iPhone 7 já estão esgotadas na maioria das lojas ao redor do mundo e também em seus estoques. Até que seja reposto, o produto só poderá ser obtido por encomenda. Contudo, a Apple segue sem divulgar números exatos das vendas. Lançado há uma semana, o smartphone traz uma câmera melhor, duas opções de tamanhos e fones de ouvido sem fio. Impulsionadas pela polêmica envolvendo o rival Galaxy Note 7 da Samsung — cujas baterias defeituosas fizeram explodir dezenas de aparelhos—, as ações da empresa do presidente Tim Cook atingiram na quarta-feira 14 seu valor mais alto em 2016, chegando a 113 dólares.

Twitter na TV


Com dificuldade para aumentar a base de usuários de sua rede social, o Twitter aposta agora nas TVs: nos jogos da NFL, liga de futebol americana, desta quinta-feira, a empresa estreia um aplicativo que permite aos usuários assistir, ao vivo, a dez partidas do campeonato. O app também traz conteúdo de produtoras como a NBA, liga de basquete americana, e da agência de notícias Bloomberg. Por ora, o produto só funciona em televisores e é gratuito para clientes da Apple TV, da Amazon Fire TV e do Xbox One, da Microsoft. Para utilizar a novidade, contudo, não é preciso que os usuários se cadastrem na rede social do Twitter.

AdBlock cobrará por anúncios

O AdBlock, popular serviço de bloqueador de anúncios online, passará a vender uma forma de burlar o próprio sistema. A companhia alemã Eyeo GmbH, dona do software, afirmou que anunciantes poderão pagar para que sua propaganda apareça mesmo para usuários que tenham o AdBlocker ativado. A única condição é que os anúncios devem se encaixar em determinado padrão de qualidade: em parceria com a empresa de publicidade digital ComboTag, a dona do AdBlock criará a chamada “plataforma de anúncios aceitáveis” para ajudar os desenvolvedores a criar publicidade que não atrapalhe os usuários.

Os assassinatos de Duterte

Uma testemunha acusou o presidente das Filipinas, Rodrigo Duterte, de chefiar uma quadrilha responsável pela execução de milhares de pessoas no país. Perante o Senado, Edgar Matobato — um dos executores da quadrilha — afirmou que Duterte presidiu um julgamento extrajudicial de mais de 1.000 supostos criminosos e oponentes políticos nas últimas duas décadas. Segundo Matobato, o presidente participou pessoalmente da execução de 50 das vítimas, três delas jogadas ao mar e uma atirada a crocodilos. Durante sua campanha para a Presidência das Filipinas, Duterte prometeu um severo plano de combate às drogas, duramente criticado por grupos internacionais de direitos humanos, que temem que a polícia filipina passe a desrespeitar as leis do país.

Impostos: regras mais severas

Para proteger sua receita de impostos, a Justiça americana promulgou nesta quinta-feira uma nova lei que impede as multinacionais de usarem o montante pago em outros países para diminuir seus tributos dentro dos Estados Unidos. A decisão vem logo depois de a Apple pedir ao governo uma redução de sua carga tributária, em virtude dos 13 bilhões de euros que foi condenada a pagar à Irlanda por sonegação de impostos no país. Também nesta quinta-feira a Comissão Europeia esboçou um rascunho sobre possíveis mudanças nos direitos autorais na Europa. Se as novas regras entrarem em vigor, buscadores e redes sociais poderão ter de pagar a produtores — como artistas e jornais — para exibir seu conteúdo. O buscador Google já se manifestou contra a medida.