Egito recupera 340 peças históricas roubadas

As peças incluem uma coleção de moedas ptolemaicas, assim como estatuetas de pedra caliça

Cairo – O Egito recuperou uma coleção de 340 peças da Dinastia ptolemaica (século III a.C.), que tinham sido tiradas ilegalmente do país e levadas à Jordânia para sua venda, informou nesta segunda-feira o Ministério de Antiguidades em comunicado.

As peças incluem uma coleção de moedas ptolemaicas, assim como estatuetas de pedra caliça e uma cabeça de alabastro de Alejandro Magno, que conquistou Egito no ano 332 a.C.

A nota do departamento detalha que as peças foram achadas no final de 2015 escondidas no meio de uma carga de carvão no litoral jordaniano do Mar Vermelho.

A polícia jordaniana descobriu as peças arqueológicas transportadas ilegalmente e as entregou ao Ministério de Antiguidades do país para que fossem devolvidas ao governo egípcio.

Egito e Jordânia assinaram em 2015 um convênio para combater o tráfico ilegal de peças de arte e arqueológicas, e para conservar o patrimônio cultural dos dois países.

Cairo está tentando recuperar as milhares de peças que foram tiradas do país durante e depois da revolução de 2011, quando vários museus foram assaltados e saqueados, e a instabilidade causada pela revolta propiciou o tráfico destes objetos valiosos.