Dólar R$ 3,27 -0,31%
Euro R$ 3,66 0,08%
SELIC 11,25% ao ano
Ibovespa 1,60% 62.662 pts
Pontos 62.662
Variação 1,60%
Maior Alta 9,53% JBSS3
Maior Baixa -1,42% EMBR3
Última atualização 23/05/2017 - 17:20 FONTE

Desperdício ameaça segurança alimentar no mundo, alerta pesquisa

Novos dados revelam que mais alimentos são perdidos no sistema alimentar global do que se pensava anteriormente

São Paulo – Produzir alimentos para 7 bilhões de pessoas é tarefa monumental que consome muitos dos recursos naturais do Planeta, especialmente terra e água. A sustentabilidade desse processo não depende apenas da forma como os alimentos são produzidos, mas também de como eles são consumidos, e nessa conta o consumidor faz toda a diferença.

Um novo estudo revela que, atualmente, quase 20% dos alimentos disponibilizados aos consumidores são perdidos por conta dos excessos à mesa, acima das necessidades nutricionais diárias (o que muitas vezes desencadeia doenças, como a obesidade) e pelo desperdício de alimentos.

Segundo a pesquisa da Universidade de Edimburgo, na Escócia, a população mundial consome cerca de 10 por cento mais alimentos do que precisa, enquanto quase 9 por cento estraga ou é jogado fora deliberadamente.

Os esforços para reduzir as bilhões de toneladas perdidas poderiam melhorar a segurança alimentar global – garantindo que todos tenham acesso a uma dieta nutritiva, segura e acessível – além de reduzir os danos ao meio ambiente, dizem os pesquisadores.

Para quantificar a extensão das perdas, a equipe de cientistas examinou dez etapas fundamentais do sistema alimentar global – incluindo os hábitos do consumidor final e o crescimento e colheita de culturas tanto para alimentação humana quanto para alimentação animal.

Usando os dados levantados principalmente pela Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação, a equipe descobriu que mais alimentos são perdidos no sistema alimentar global do que se pensava anteriormente. Quase metade das colheitas – ou 2,1 bilhões de toneladas – são perdidas por consumo excessivo (acima das necessidades nutricionais diárias), desperdício do consumidor final e ineficiência nos processos de produção, dizem os pesquisadores.

A pesquisa destaca que a produção de gado é o processo menos eficiente, com perdas de 78 por cento ou 840 milhões de toneladas. Cerca de 1,08 bilhão de toneladas de colheitas são utilizadas para produzir 240 milhões de toneladas de produtos animais comestíveis, incluindo carne, leite e ovos.

Este estágio sozinho responde por 40 por cento de todas as perdas de colheitas mundiais, dizem os pesquisadores.

Eles alertam que o aumento da demanda por alguns alimentos, particularmente carne e produtos lácteos, reduziria a eficiência do sistema alimentar e poderia dificultar a alimentação da população em expansão do mundo de maneira sustentável.

Atender a essa demanda poderia causar danos ambientais ao aumentar as emissões de gases de efeito estufa, esgotar o abastecimento de água e causar perda de biodiversidade.

Incentivar as pessoas a comer menos produtos animais, reduzir o desperdício e não exceder suas necessidades nutricionais poderia ajudar a reverter essas tendências, segundo o estudo que foi publicado na revista científica Agricultural Systems.