Desastres mataram 10 mil pessoas e custaram U$158 bi em 2016

Furacão Matthew foi a catástrofe natural mais letal do ano, segundo a empresa, provocando ao menos 733 mortes, sobretudo no Haiti

Zurique – Mais de 10 mil pessoas morreram em decorrência de desastres naturais e causados pelo homem em 2016, e as perdas financeiras totalizaram ao menos 158 bilhões de dólares, informou a seguradora suíça Swiss Re nesta quinta-feira.

Estimadas em 49 bilhões de dólares, as perdas seguradas aumentaram em quase um terço –foram de 37 bilhões de dólares em 2015–, mas cobriram menos de um terço dos custos decorrentes de catástrofes ao longo do ano.

“A diferença entre as perdas totais e as perdas seguradas em 2016 mostra que muitos eventos aconteceram em áreas onde a cobertura de seguros era baixa”, disse a Swiss Re em comunicado.

O furacão Matthew foi a catástrofe natural mais letal do ano, segundo a empresa, provocando ao menos 733 mortes, sobretudo no Haiti.

O Matthew causou devastação no Haiti e no leste do Caribe em outubro e depois atingiu a costa sudeste dos Estados Unidos, deixando 8 bilhões de dólares de prejuízos, dos quais 4 bilhões estavam segurados, informou a Swiss Re. Outras estimativas calcularam as perdas seguradas em até 8 bilhões de dólares.

Uma sequência de terremotos e tremores secundários que abalou a região administrativa japonesa de Kumamoto, incluindo um sismo de magnitude 7,0 em abril, fez 137 vítimas fatais e foi o desastre mais custoso de 2016, provocando 20 bilhões de dólares de perdas, dos quais só um quarto estava segurado.

“A sociedade está subsegurada contra o risco de terremotos, e a lacuna de proteção é uma preocupação global”, disse Kurt Karl, economista-chefe da Swiss Re.

A empresa estimou o custo dos incêndios florestais em Fort McMurray, no Canadá –o desastre mais caro da história do país para as seguradoras– em 3,9 bilhões de dólares no nível econômico e em 2,8 bilhões de dólares para as seguradoras.