Defensores dos animais são expulsos de festival chinês

Doze defensores dos animais agitavam bandeiras em frente à sede do governo local em Yulin, na china, quando vinte homens forçaram o grupo a se retirar

Defensores dos direitos dos animais foram expulsos à força nesta segunda-feira de um festival de comida dedicado à degustação de cães no sul da China, uma manifestação cada vez mais criticada, que abate todos os anos milhares de cães.

Uma dúzia de defensores dos animais agitavam bandeiras em frente à sede do governo local em Yulin, quando vinte homens não identificados forçaram o grupo a se retirar, constatou um fotógrafo da AFP.

Este evento é organizado todos os anos para o solstício de verão em Yulin, na região sul de Guangxi, e tem enfrentando a crescente oposição de ativistas e de amigos dos animais, que exigem a sua proibição.

“Contra o comércio ilegal de carne de cachorro”, “punição ao transporte ilegal de cães”, proclamavam as bandeiras dos manifestantes que foram rasgadas.

Não há nenhuma lei na China que proíbe o consume de carne de cachorro, mas os manifestantes querem fazer valer as leis sanitárias e administrativas existentes.

“A maioria destes animais são animais de estimação roubados, e a maioria dos caminhões que os transportam violam as leis muito explícitas da China sobre os animais destinados ao consumo humano”, declarou Adam Parascandola, responsável pelas questões relacionadas com a crueldade contra os animais da organização Humaine Society, uma associação com sede em Washington.

“Por quanto tempo a China permitirá que as autoridades de Yulin violem a lei desta forma?”, questionou em um comunicado.

Salvos da panela

Todos os anos, até 10 milhões de cães são mortos por causa de sua carne na China, até 10.000 para o festival de Yulin, de acordo com a Humane Society.

De acordo com um estudo recentemente publicado pela associação Animals Asia, que tem sede em Hong Kong, a maioria destes caninos foram roubados ou são de rua.

O festival gastronômico de Yulin, durante o qual os cães estão amontoados em gaiolas antes de serem mortos, provoca muitas condenações na China e no exterior.

Logo após o incidente com os manifestantes, comerciantes começaram a vender abertamente carne de cachorro posta à volta de scooters, enquanto centenas de pessoas passeavam pelo mercado da cidade.

As autoridades de Yulin tomaram alguma distância do evento, evocando apenas um “costume local” de “certas pessoas”, mas garantindo que a cidade “nunca organizou um festival de carne de cachorro”.

Os promotores do festival enfatizam a tradição cultural ancestral que faz com que muitos chineses, especialmente no sul e do nordeste, consumam carne de cachorro.

“É claro que podemos comer cachorro”, considerou um usuário do Sina Weibo, o equivalente chinês do Twitter. “Só não se pode roubar os animais de estimação dos outros.”

Aqueles que exigem a sua abolição, evocam o crescente interesse do povo chinês pelos animais de estimação. Cerca de 30 milhões de famílias chinesas têm um cão.

Sábado, uma chinesa desembolsou cerca de 1.000 euros para comprar 100 cães e salvar suas vidas, de acordo com a imprensa chinesa.

Uma petição na plataforma Change.org exigindo o fim do festival, ilustrada por um cachorro chorando lágrimas de sangue na bandeira chinesa, já havia recolhido mais de 3,8 milhões de assinaturas nesta segunda à tarde.