Cristina Kirchner agora acredita em assassinato do promotor

De acordo com o jornal argentino Clarin, a presidente mantém a postura de defesa quanto ao caso que Nisman investigava

São Paulo – Forçada por novas evidências que surgiram das investigações, a presidente Cristina Kirchner afirma agora estar “convencida” de que o promotor Alberto Nisman foi assassinado.

“Não tenho provas, mas tampouco tenho dúvidas”, escreveu Cristina em seu perfil no Facebook na quinta-feira, poucos dias depois de também usar a rede social para sustentar a primeira versão sobre o caso, a de que Nisman teria se matado.

De acordo com o jornal argentino Clarin, a presidente mantém a postura de defesa quanto ao caso que Nisman investigava, um suposto acobertamento de Cristina a iranianos autores do atentado contra a Associação Mutual Israelita Argentina (Amia), em 1994.

Nisman foi encontrado morto horas antes de uma audiência no Congresso, onde daria detalhes sobre a denúncia que tinha apresentado.

“O usaram vivo, depois necessitavam dele morto. Triste e terrível”, escreve a presidente em seu texto.

“A verdadeira operação era a morte do promotor depois de apresentada a denúncia contra a presidente.”