Coreias abordam em Bali programa nuclear de Pyongyang

O objetivo é tratar da desnuclearização do regime da Coreia do Norte

Nusa Dua – Representantes das duas Coreias reuniram-se nesta sexta-feira em encontro informal na ilha indonésia de Bali para falar sobre a desnuclearização do regime de Pyongyang.

“A reunião com meu colega foi construtiva e proveitosa”, declarou o máximo negociador da Coreia do Sul, Wi Sung-lac, aos jornalistas ao fim do encontro.

Com duração de duas horas, as conversas foram coordenadas por Wi e o vice-ministro de Relações Exteriores da Coreia do Norte, Ri Yong-ho, e cada uma das delegações foi composta por cinco funcionários.

O ministro de Relações Exteriores indonésio e presidente rotativo da Associação de Nações do Sudeste Asiático (Asean), Marty Natalegawa, disse à imprensa que trabalha para organizar um encontro no sábado entre os titulares de Relações Exteriores das duas Coreias por causa da conferência ministerial que acontece em Bali.

Tanto o chefe da diplomacia norte-coreana, Pak Ui-Chun, quanto seu colega sul-coreano, Kim Sung-Hwan, devem assistir no sábado ao fórum de segurança da Asean com a secretária de Estado americana, Hillary Clinton, e representantes de duas dezenas de países.

Neste fórum estarão presentes as seis nações que fizeram parte das rodadas de negociações para frear o desenvolvimento nuclear norte-coreano: as duas Coreias, Estados Unidos, China, Rússia e Japão.

O regime norte-coreano retirou-se das negociações de seis lados em 2008, após ser criticado por testes com mísseis de longo alcance, mas recentemente mostrou-se aberto a retomá-las.

Estados Unidos e Japão mantêm que é necessário diálogo entre as duas Coreias antes de voltar à mesa de negociações multilaterais.

O programa nuclear norte-coreano foi uma das matérias dominantes abordadas nas reuniões multilaterais da Asean, que começaram na terça-feira passada.

A Asean, fundada em 1967, é composta por Mianmar (Mianmar), Brunei, Camboja, Filipinas, Indonésia, Laos, Malásia, Cingapura, Tailândia e Vietnã.