Horrores de campos de concentração norte-coreanos expostos

Comissão de inquérito que começou hoje é a primeira vez que a situação dos direitos humanos na Coreia do Norte é examinada por uma comissão de especialistas

Seul – Execuções públicas e torturas são ocorrências cotidianas nas prisões da Coreia do Norte, segundo o dramático testemunho de ex-detentos a uma comissão de inquérito da ONU que começou a funcionar nesta terça-feira em Seul.

Essa é a primeira vez que a situação dos direitos humanos na Coreia do Norte é examinada por uma comissão de especialistas, embora o regime comunista norte-coreano não reconheça a legitimidade da comissão e não tenha autorizado visitas dos investigadores.

Desertores hoje radicados na Coreia do Sul fizeram horripilantes relatos sobre como os guardas cortaram o dedo de um homem, forçavam presos a comerem sapos, e obrigaram uma mãe a matar seu próprio bebê.

“Não fazia nem ideia…, achava que minha mão inteira seria decepada no pulso, então fiquei grato por ter só meu dedo arrancado”, disse Shin Dong-hyuk, punido por deixar cair uma máquina de costura.

Nascido em uma prisão chamada Campo 14 e obrigado a assistir à execução da sua mãe e do seu irmão, que ele entregou para garantir sua própria sobrevivência, Shin é o mais conhecido desertor e sobrevivente de prisões da Coreia do Norte. Ele disse considerar que a comissão da ONU é a única forma de melhorar a situação dos direitos humanos no seu miserável e isolado país natal.

“Uma vez que o povo norte-coreano não pode pegar em armas como na Líbia e na Síria…, eu pessoalmente acho que essa é a primeira e última esperança que resta”, disse Shin. “Há muito para eles acobertarem, embora eles não admitam nada.” Estimativas independentes apontam para 150 a 200 mil pessoas detidas nos campos prisionais norte-coreanos, e desertores dizem que os presos ficam desnutridos e trabalham até morrer.

Jee Heon-a, de 34 anos, contou à comissão que desde o primeiro dia de prisão, em 1999, percebeu que sapos salgados eram um dos poucos alimentos disponíveis. “Os olhos de todos estavam afundados. Todos pareciam animais. Os sapos eram pendurados em botões nas ruas roupas, colocados em um saco plástico e tinham a pele arrancada, disse ela.


“Eles comiam sapos salgados, então comi também.” Em voz baixa, ela suspirou profundamente ao contar em detalhes como uma mãe teve de matar seu bebê. “Era a primeira vez que eu via um recém-nascido, e fiquei feliz. Mas de repente houve passos, e um guarda de segurança chegou e disse à mãe para virar o bebê de cabeça para baixo em uma vasilha com água”, contou a mulher.

“A mãe implorou ao guarda para poupá-la, mas ele continuou batendo nela. Então a mãe, com as mãos trêmulas, pôs o rosto do bebê na água. O choro parou, e uma bolha subiu quando ele morreu. Uma avó que havia entregado o bebê discretamente o levou embora.” Poucos especialistas esperam que a comissão tenha um impacto imediato sobre a situação dos direitos humanos, mas ela servirá para divulgar uma campanha que tem pouca visibilidade global.

“A ONU já tentou de várias formas pressionar a Coreia do Norte ao longo dos anos no campo dos direitos humanos, e essa é uma forma de intensificar um pouco a pressão”, disse Bill Schabas, professor de direito internacional na Universidade de Middlesex, na Grã-Bretanha.

“Mas é óbvio que a Coreia do Norte é um osso duro de roer, e os meios da ONU são limitados. Haveria a necessidade de profundas mudanças políticas na Coreia do Norte para que houvesse avanços no campo dos direitos humanos.” (Reportagem adicional de Thomas Escritt, em Amsterdã, e Stephanie Nebehay, em Genebra)