Condenado por causa de poema, chinês é levado para prisão

Zhu Yufu foi condenado por "estimular à subversão"

Pequim – O dissidente chinês Zhu Yufu – condenado a 7 anos de prisão por “estimular à subversão” com um poema escrito no último ano, quando tentava levar a Primavera Árabe à China -, já foi levado para um presídio, informaram nesta sexta-feira ativistas de direitos humanos.

Zhu, de 59 anos, ingressou ontem em uma prisão da província de Zhejiang (este), declarou a organização Defensores dos Direitos Humanos na China (CHRD) em comunicado.

O dissidente foi preso quatro dias depois que o tribunal da cidade oriental de Hangzhou que ditou sua sentença rejeitasse a apelação apresentada por sua defesa há dois meses.

Zhu foi condenado em fevereiro por ter escrevido o poema “É hora, povo chinês!”, divulgado na internet em um momento que os protestos populares na China pareciam seguir os mesmos ideais que derrubaram os regimes de vários países árabes.

“É hora, povo chinês! A praça (em referência a Praça da Paz Celestial) é de todos. Teus pés são teus. É hora de os utilizar para ir à praça e escolher (…) A China é de todos, a escolha é de cada um”, diz o poema de Zhu.

Segundo as autoridades, a poesia foi alvo de repressão porque colocava em risco “a segurança do Estado” e chamava o povo para “derrubar o sistema socialista”, além do fato de Zhu ter sido identificado como um membro do Partido Democrático da China.

O dissidente, que foi detido no dia 5 de março de 2011, já passou duas vezes pela prisão, somando nove anos total. Anteriormente, Zhu foi preso por “agressão às forças policiais” e “subversão”, acusações que poucos conseguem ser absolvidos na China.