Colômbia oferece café como experiência turística inovadora

O maior produtor de café suave do mundo transformou o grão não só em uma bebida que deleita paladares, mas em uma experiência turística e de aventura

Montenegro – A Colômbia, o maior produtor de café suave do mundo, transformou o grão não só em uma bebida que deleita paladares, mas em uma experiência turística e de aventura pelas fazendas e paisagens onde estão seus cafezais.

Rotas da Paisagem Cultural do Café é o nome da proposta turística que aglutina 400 empresários nos departamentos de Caldas, Quindío, Risaralda e Valle del Cauca, e que conseguiu cativar visitantes nacionais e estrangeiros e beneficiar várias famílias camponesas.

O projeto, que começou a tomar forma em 2011 em Quindío, oferece aos visitantes 27 experiências agrupadas em quatro linhas de produto: degustação, esportes extremos, natureza e artesanatos.

A coordenadora do projeto, María Claudia Campo, explicou à “Colômbia.inn”, agência operada pela Efe, que as Rotas da Paisagem Cultural do Café obtiveram o segundo lugar na categoria “Inovação em empresas” do Prêmio Ulises, da Organização Mundial do Turismo (OMT).

Campo destacou que o prêmio foi concedido a este programa por ser “inovador, competitivo e sustentável”.

“Entre mais de 200 participantes chamou a atenção que tenhamos vinculado tantos empresários com altos padrões de qualidade que fazem possível que o turista encontre serviços garantidos e inovadores”, indicou.

A executiva disse que a oferta turística inclui alojamento, restaurantes, artesãos, fazendas, museus, agências de viagem, guias, transporte e esportes de aventura, entre outros, unificados por um “manual de boas práticas” criado para a marca.

“Saboreie a cultura do melhor café do mundo” é uma das ofertas das rotas, e consiste em uma viagem na qual, pelas mãos de camponeses, o visitante semeia, colhe, seca, torra e degusta a bebida.

Em “Desfrutar de natureza e paisagem únicas” os participantes têm a oportunidade de conhecer algumas das mais de mil espécies de aves que habitam este território e visitar o Parque Nacional Natural Los Nevados e o Valle do Cocora, entre outros lugares.

“Viver grandes aventuras em paisagens exclusivas” permite mudar o conceito tradicional em torno do grão e transformar as verdes e férteis paisagens em cenários para aventuras como cavalgadas, voos em parapente, deslocamentos em balsas e saltos com cordas.

Enquanto isso, em “Aprender sobre ofícios muito autênticos”, os turistas podem submergir na elaboração de artesanatos com bambu, cerâmica, madeira e fibras.

Estas alternativas “fizeram com que os estrangeiros passassem de 4% do total de turistas que chegavam ao Eixo Cafeicultor anos atrás a 10% atual, principalmente procedentes dos Estados Unidos, Espanha, Equador, Venezuela e México”, explicou Campo.

Números da Migração Colômbia indicam que 24.664 turistas visitaram o Eixo Cafeicultor entre janeiro e setembro de 2014.

De acordo com Campo, esta zona, onde, segundo a Federação Nacional de Cafeicultores, há cerca de 24 mil fazendas nas quais vivem e trabalham ao redor de 80 mil pessoas, “tem possibilidades ilimitadas de crescer e de beneficiar mais colombianos”.