Chineses pedem que devolvam tesouros saqueados no século XIX

"Quando o Reino Unido irá devolver as pecas ilegalmente saqueadas?", perguntou a organização para David Cameron

Pequim – A China pediu nesta quarta-feira ao primeiro-ministro britânico, David Cameron, que devolva a Pequim valiosas peças saqueadas no século XIX.

Cameron visitou nesta quarta a cidade de Chengdu (sudoeste), no terceiro e último dia de uma viagem apresentada como a maior missão comercial já realizada pelo Reino Unido, durante a qual as autoridades britânicas anunciaram a assinatura de acordos em um valor de 5,6 bilhões de libras ( 9,2 bilhões de dólares).

Na sexta-feira passada, o primeiro-ministro abriu uma conta na rede social Weibo, a versão chinesa do Twitter, que nesta manhã já tinha mais de 260 mil seguidores.

Cameron convidou os internautas a fazerem perguntas para que respondesse durante sua visita ao gigante asiático.

Uma das perguntas mais replicadas foi lançada pelo China Center for International Economic Exchanges, que é dirigido pelo ex-vice-premiê Zeng Peiyan e que tem entre os seus membros funcionários do governo e economistas influentes.

“Quando o Reino Unido irá devolver as pecas ilegalmente saqueadas?”, perguntou a organização, referindo-se a 23.000 objetos mantidos no Museu Britânico e que, segundo a instituição, foram saqueados.

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores chinês, Hong Lei, comentou a jornalistas nesta quarta-feira que esta “questão relevante refere-se à história da China e os sentimentos do povo chinês”.

“Esperamos que os países, as autoridades competentes e as pessoas respeitem os sentimentos do povo chinês e ajam de maneira responsável e amigável sobre o assunto”, acrescentou.

Questionado sobre se a China estava pedindo para que esses tesouros fossem devolvidos, disse: “As autoridades chinesas estão em comunicação com as autoridades governamentais dos países em causa”.

De acordo com o Ministério britânico da Cultura, Mídia e Esporte, “o Reino Unido tem excelentes relações culturais com a China”.

“Cabe aos administradores ou as autoridades competentes de tais coleções responder perguntas sobre peças chinesas em coleções de museus. O Governo não intervém neste assunto”, acrescentou.

O Reino Unido já rejeitou pedidos de outros países para que devolvesse objetos históricos. O Museu Britânico afirma, por sua vez, que esses objetos fazem parte do patrimônio mundial e são mais acessíveis aos visitantes estando em Londres.