Dólar R$ 3,28 0,39%
Euro R$ 3,67 -0,04%
SELIC 11,25% ao ano
Ibovespa 0,95% 63.257 pts
Pontos 63.257
Variação 0,95%
Maior Alta 5,04% SMLE3
Maior Baixa -3,99% MRFG3
Última atualização 24/05/2017 - 17:20 FONTE

China denuncia “objetivo político” em aproximação de Taiwan e EUA

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Lu Kang, manifestou o mal-estar de Pequim com a aproximação entre os dois líderes

Pequim – O governo da China afirmou nesta quarta-feira que há um “objetivo político posterior” na escala que a presidente de Taiwan, Tsai Ing-wen, realizará nos Estados Unidos no próximo mês, a caminho de uma turnê pela América Latina.

Depois da ligação de Tsai ao presidente eleito dos EUA, Donald Trump, na última sexta-feira, o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Lu Kang, manifestou em entrevista coletiva o mal-estar de Pequim com a aproximação entre os dois líderes.

Apesar de ainda não haver confirmação oficial, a imprensa de Taiwan afirmou ontem que Tsai visitará a América Latina em janeiro para comparecer à posse do presidente da Nicarágua, Daniel Ortega, visitando depois Guatemala e El Salvador. Antes da turnê, porém, o voo faria uma escala em território norte-americano.

“As pessoas relevantes de Taiwan sempre realizam esses truques, assim como a chamada ‘diplomacia de passagem’. É óbvio para todos que há um objetivo político posterior”, afirmou Lu, que se negou a responder se a China pediu aos EUA para cancelar a escala.

“Nossa posição é muito clara: só há uma China. E o governo da República Popular da China é o único legítimo para representar o país. Isso é um consenso da comunidade internacional”, explicou o porta-voz da diplomacia de Pequim.

Lu afirmou que manter o princípio de “uma só China” é uma pré-condição política “necessária e importante” para que outros países desenvolvam relações com Pequim.

A turnê latino-americana de Tsai ocorre em um momento de tensão nas relações entre China e Taiwan, que já vinham se deteriorando nos últimos meses. A ligação da presidente da ilha para Trump, para parabenizá-lo pela eleição, foi um novo episódio do conflito.