Dólar R$ 3,27 -0,54%
Euro R$ 3,65 0,07%
SELIC 11,25% ao ano
Ibovespa 1,36% 64.085 pts
Pontos 64.085
Variação 1,36%
Maior Alta 4,89% RADL3
Maior Baixa -6,09% JBSS3
Última atualização 26/05/2017 - 17:20 FONTE

Cessar-fogo mediado por Rússia e Turquia entra em vigor na Síria

O acordo, que não inclui os chamados grupos terroristas, como o Estado Islâmico , foi anunciado na quinta-feira pelo presidente russo

Um cessar-fogo envolvendo o governo e os rebeldes em todo território da Síria entrou em vigor no primeiro minuto desta sexta-feira (20h de quinta, no horário de Brasília), em virtude do acordo concluído com a mediação de Rússia e Turquia.

A nova trégua pode significar uma mudança de rumo após mais de cinco anos de guerra.

O acordo, que não inclui os chamados grupos “terroristas”, como o Estado Islâmico (EI), foi anunciado na quinta-feira pelo presidente russo, Vladimir Putin, e confirmado pelo Exército sírio e pela oposição.

“Uma hora antes do início do cessar-fogo, as frentes estavam em calmaria, à exceção de alguns foguetes lançados contra a cidade de Aleppo (norte) e dois foguetes que caíram nos subúrbios de Damasco”, indicou o diretor do Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH), Rami Abdel Rahman.

O presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, classificou a trégua como uma “oportunidade histórica” para pôr fim aos seis anos de conflito.

“De maneira alguma, deve-se deixar passar essa oportunidade. É uma oportunidade histórica”, declarou Erdogan, em entrevista coletiva em Ancara.

Para o chanceler sírio, Walid Muallem, é uma “verdadeira oportunidade” para chegar a “uma solução política”.

Os Estados Unidos receberam bem o anúncio, manifestando seu desejo de que a trégua seja “respeitada por todas as partes” do conflito.

“As informações relativas a um cessar-fogo na guerra civil na Síria representam uma evolução positiva (…) Todo esforço para deter a violência, salvar vidas e criar as condições para negociações políticas renovadas e construtivas é bem-vinda”, reagiu o porta-voz do Departamento de Estado americano, Mark Toner.

O enviado da ONU para Síria, Staffan de Mistura, saudou o acordo e expressou sua esperança de que permita oferecer ajuda aos civis nesse país.