Cerca de 900 imigrantes são resgatados no Mediterrâneo

A maioria dos imigrantes resgatados viajava a bordo de duas embarcações que navegavam juntas

Aproximadamente 900 imigrantes foram resgatados na madrugada desta quarta-feira (28) no Mar Mediterrâneo, próximo à Líbia, em uma operação que confirma que 2016 foi um ano recorde em relação ao número de imigrantes e de refugiados que tentam entrar na Europa.

A maioria dos imigrantes resgatados viajava a bordo de duas embarcações de madeira que navegavam juntas. Na madrugada, outras 40 pessoas foram socorridas em um outro barco.

O ano que está prestes a acabar registra um dado aterrorizante para a Europa: o mais letal da história para a rota do Mediterrâneo.

Mais de 5.000 pessoas perderam a vida, ou desapareceram, na travessia, como apontam dados divulgados pela ONU.

Um navio militar britânico, que faz parte da operação europeia “Sophia” contra o tráfico de pessoas, e o barco “Aquarius”, fretado pela ONG SOS Mediterrâneo e Médicos Sem Fronteiras – ambos coordenados pela guarda costeira italiana -, resgataram a maioria dos imigrantes.

“Todos estão sãos e salvos”, informou a ONG.

Boa parte dos imigrantes é oriunda da Eritreia, Bangladesh, Paquistão, Somália e Síria, segundo os socorristas.

De acordo com o último informe do Ministério do Interior italiano, mais de 180.000 imigrantes chegaram à costa da Itália este ano – a maioria procedente da África Ocidental e do Chifre da África.

Trata-se de um aumento de 17% em comparação aos números de 2015, e de 6%, se comparado ao recorde de 170.100 pessoas registrado em 2014.

O Crescente Vermelho da Líbia anunciou a descoberta de 11 corpos de imigrantes nas praias próximas a Trípoli, capital da Líbia.