Canadá fará primeiro teste em humanos de vacina contra zika

O vírus, que é capaz de causar malformações graves em fetos de mulheres grávidas infectadas, se espalhou rapidamente pela América Latina

Uma universidade canadense anunciou na terça-feira que vai realizar o primeiro teste do mundo em seres humanos de uma vacina contra o zika, enquanto as autoridades de saúde lutam para combater esse vírus que se espalha rapidamente.

A vacina contra o zika que está sendo desenvolvida será administrada em humanos “nos próximos dias”, disse em um comunicado a Universidade Laval, sediada na cidade de Quebec.

“Estamos muito orgulhosos de fazer parte da primeira equipe internacional do mundo a completar todas as etapas do processo de regulamentação”, disse Gary Kobinger, doutor em microbiologia e professor de medicina na universidade, que está supervisionando o estudo.

Kobinger observou que o desenvolvimento da vacina contra o zika foi autorizado pela Food and Drug Administration (FDA), agência americana que regula medicamentos, e pelo Health Canada, departamento do governo canadense responsável pela saúde pública. Até agora, as vacinas foram testadas em ratos.

O zika vírus é transmitido principalmente por mosquitos, e não existe nenhum tratamento ou vacina para combatê-lo. O vírus, que é capaz de causar malformações graves em fetos de mulheres grávidas infectadas, se espalhou rapidamente pela América Latina.

Kobinger, uma autoridade mundial em vacinas, é pesquisador no CHU, um centro hospitalar vinculado à Universidade Laval. O CHU está conduzindo o estudo em colaboração com dois centros dos Estados Unidos.

“O CHU da Universidade de Laval é um dos três centros de pesquisa líderes envolvidos no estudo de vacinas, e estamos muito orgulhosos disso”, disse Gertrude Bourdon, presidente do CHU.

Mais de uma dúzia de empresas farmacêuticas, incluindo a francesa Sanofi e a indiana Bharat Biotech, estão trabalhando no desenvolvimento de uma vacina contra o zika, de acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS).

A OMS previu um crescimento acentuado do surto de zika nas Américas, com até quatro milhões de pessoas infectadas.

No Brasil, o país mais afetado pelo vírus, mais de 1,5 milhão de pessoas já foram infectadas.