Aviões russos bombardearam hospital sírio, dizem ativistas

Al Halabi explicou que os ataques aéreos estavam sendo realizados por aviões e helicópteros, que jogavam barris de explosivos contra a população

Beirute - O <a href="http://www.exame.com.br/topicos/hospitais"><strong>hospital </strong></a>Omar bin Abdelaziz da cidade de Aleppo, no norte da <a href="http://www.exame.com.br/topicos/siria"><strong>Síria</strong></a>, e que fica no bairro sitiado de Maadi, foi bombardeado nesta segunda-feira, um ataque que deixou um número ainda indeterminado de feridos, segundo ativistas.</p>

Abu Muyahed al Halabi, ativista da Rede Sham, de oposição ao regime do presidente do país, Bashar al-Assad, e que está no local, afirmou à Agencia Efe que aviões russos atacaram o hospital.s “Houve apenas pessoas levemente feridas, entre eles médico e enfermeiras”, disse, destacando, porém, que o bombardeio provocou importantes danos na estrutura do edifício que abriga a unidade de saúde.

O ativista disse que a campanha de bombardeios que teve início na quinta-feira contra as regiões controladas pela oposição em Aleppo, a maior parte delas na região leste da cidade, prosseguiu hoje.

Al Halabi explicou que os ataques aéreos estavam sendo realizados por aviões e helicópteros, que jogavam barris de explosivos contra a população. Segundo ele, houve pelo menos dez mortos.

O Observatório Sírio de Direitos Humanos confirmou o registro de um bombardeio realizado por aviões de combate e helicópteros não identificados sobre o hospital de Omar bin Abdelaziz. No entanto, a organização disse não haver informações sobre os danos causados.

Os ativistas do Observatório, no entanto, acrescentaram que registraram a morte de duas crianças da mesma família após um ataque aéreo no bairro de Karam Humad. Além disso, ocorreram bombardeios em Al Misir, Al Helik, Bab al Hadid, Al Kalasa e Bustan al Qasr.