Dólar R$ 3,28 0,12%
Euro R$ 3,64 -0,77%
SELIC 11,25% ao ano
Ibovespa 1,25% 64.020 pts
Pontos 64.020
Variação 1,25%
Maior Alta 4,89% RADL3
Maior Baixa -5,60% JBSS3
Última atualização 26/05/2017 - 15:50 FONTE

Ativistas yazidis pedem apoio mundial para levar o EI ao TPI

Nadia Murad pediu à Europa que "abra suas portas aos yizadis, como ocorreu após o Holocausto"

Estrasburgo – As ativistas yazidis Nadia Murad e Lamiya Aji Bashar, ganhadoras Prêmio Sakharov 2016 do Parlamento Europeu (PE), pediram nesta terça-feira apoio internacional para levar o Estado Islâmico ao Tribunal Penal Internacional (TPI) pelo genocídio dos yazidis e para estabelecer uma área de proteção para as minorias no Iraque.

“Esperamos que o Parlamento Europeu e o mundo levem o genocídio dos yazidis até o Tribunal Penal Internacional para fazer justiça e que o autodenominado Estado Islâmico preste contas para evitar que no futuro comentam estas atrocidades”, pediu Lamiya em discurso.

“Acredito – acrescentou Nadia – que a comunidade internacional deve estabelecer, além disso, uma área ou zonas de segurança para estas minorias no Iraque, coordenada pelo governo Iraquiano e as autoridades do Curdistão”.

Além disso, continuou a ativista, “peço à Europa que abra suas portas aos yizadis, como ocorreu após o Holocausto”.

Nadia Murad e Lamiya Aji Bashar, que receberam o prêmio usando o traje típico de sua comunidade, são “heroínas”, afirmou o “emocionado” Martin Schulz, presidente do PE, que ofereceu aos yazidis o respaldo da Eurocâmara para que o genocídio de seu povo, “um dos mais antigos da humanidade”, chegue ao TPI para que tais crimes “não fiquem impunes”.

Schulz destacou a presença no plenário de familiares e amigos das ativistas, entre eles o irmão mais novo de Lamiya, que estava em um campo de refugiados e ontem pôde reencontrá-la em Estrasburgo.

Também estavam na cerimônia os outros indicados ao prêmio: o jornalista turco Can Dündar e o ativista tártaro Mustafa Dzhemilev.

No ano passado, a Eurocâmara concedeu o Prêmio Sakharov ao blogueiro Raif Badawi, preso por “insultar o Islã” na Arábia Saudita, e Schulz pediu às autoridades do país para colocá-lo em liberdade “imediatamente”.