Após declarar apoio a Hillary, NYT ataca Donald Trump

Em um editorial divulgado no domingo, o consagrado jornal descreveu Trump como um " "homem que vive na intolerância, arrogância e falsas promessas"

São Paulo – Após declarar apoio a Hillary Clinton para a presidência dos Estados Unidos (EUA), o consagrado jornal The New York Times (NYT) publicou um novo editorial na noite de domingo sobre o tema. Dessa vez, no entanto, se debruçou sobre a candidatura de Donald Trump e listou as razões pelas quais acreditam que ele não deve ser o presidente do país.

Donald Trump é um homem que vive na intolerância, arrogância e falsas promessas, começa o NYT. Ele ofereceu sua riqueza e status de celebridade televisiva como credenciais e então acrescentou maliciosamente um toque de alarmismo sobre mexicanos estupradores invadindo a fronteira no Sul, continuou a publicação.

Na visão do NYT, as visões do polêmico empresário nada mais são que impulsos perigosos e condescendência cínica, ao invés de política. Ainda assim lembra o jornal, Trump conseguiu atrair massas e massas de americanos que lhe deram uma relevância maior que a merecida.

A publicação seguiu então analisando o discurso do empresário e a forma como ele se vendeu durante a campanha, destrinchando aspectos tortuosos dos seus negócios, examinando suas habilidades enquanto motor de mudança para os EUA e o mundo e criticando e o seu silêncio em questões importantes para o país, como mudanças na área da educação e tensões raciais.

Nossos presidentes são modelos para gerações de nossas crianças. É esse o exemplo que queremos para eles? , finaliza o NYT.

O editorial vem em um momento importante para as eleições americanas: acontece nesta segunda-feira o primeiro embate direto entre a democrata Hillary e o republicano Trump, que se encontrarão em um debate que deve ser assistido por 90 milhões de pessoas. A eleição presidencial acontecerá em novembro.

As pesquisas de opinião seguem inconstantes e mostram como o eleitorado está dividido. Na mais recente delas, divulgada ontem pela rede de notícias CNN, Trump e Hillary estavam praticamente empatados. Enquanto o republicano contava com a preferência de 44% dos eleitores, a democrata estava com 46%. A margem de erro era de 4,5%.

O clima entre os rivais é de tensão. No domingo, Trump disse que irá levar uma ex-amante do ex-presidente Bill Clinton para a primeira fileira do evento. Hillary, por sua vez, vem apostando na exposição de declarações do empresário para conquistar os eleitores indecisos e reuniu frases machistas e misóginas ditas por ele em um vídeo que termina com a pergunta: “É esse presidente que queremos para as nossas filhas?”.