Apesar de pouco incentivo, uso de bicicleta é grande no Brasil

Mesmo sendo eficiente para o meio ambiente e para a saúde dos adeptos, não há incentivo para seu uso nas grandes cidades

São Paulo – O uso da bicicleta, no Brasil, como meio de transporte ainda e mínimo. Certo? Pelo visto não. Este éo veículo individual mais usado no país. Faz sucesso principalmente nos pequenos municípios, que representam mais de 90% das cidades brasileiras.

Nestas pequenas cidades com menos de 50 mil habitantes, a bike é usada especialmente para ir ao trabalho e à escola. Outro dado revela que ela pode ser mais rápida do que um carro, levando em consideração que em um engarrafamento de São Paulo os automóveis andam de cinco a oito quilômetros por hora, enquanto que a bicicleta chega a 15 km/h.

Mesmo sendo eficiente para o meio ambiente e para a saúde dos adeptos, não há incentivo para seu uso nas grandes cidades. Além disso, os ciclistas precisam lutar constantemente para ver seus direitos sendo respeitados. Recentemente, São Paulo começou a investir mais em ciclovias e ciclofaixas, porém ainda está longe de ser suficiente para suprir as necessidades da metrópole. Diante deste fato, surgem os cicloativistas para que usuários das bikes consigam um diálogo com as autoridades.

Algumas ações tem se mostrado eficazes, como o Programa Brasileiro de Mobilidade por Bicicleta criado em 2004 pelo Ministério das Cidades. Desde então o número de municípios que apresentam algum tipo de via para bicicleta passou de 99 para 276 e se antes eram 600 quilômetros de ciclovias agora já são 2505. Em passos lentos a infra-estrutura brasileira vai melhorando.

O governo do Rio de Janeiro lançou um programa para estender a malha cicloviária. Já a prefeitura da cidade investirá no aluguel de bikes. Estão previstas 50 estações em oito bairros, tendo de 10 a 20 bicicletas em cada. De acordo com assessor técnico da Secretaria do Verde e Meio Ambiente do município de São Paulo, André Goldman, a capital paulista também tem um projeto piloto com 25 estações de bicicletas de aluguel, entre o centro e a Avenida Paulista.

Outras capitais do país demonstram que não querem ficar para trás, na cidade de Aracaju, Sergipe, as ciclovias passaram de 13 para 45 quilômetros nos últimos cinco anos. Já no Distrito Federal planeja-se construir 420 quilômetros de ciclovias em dois anos, que se somarão aos 40 já existentes.