Apenas em 2017, 525 mortes foram registradas no Mar Mediterrâneo

Ao todo, o número de mortes de pessoas em situação de deslocamento forçado é de 1.018 e o Mar Mediterrâneo segue a rota mais perigosa do mundo

São Paulo – Apenas nos três primeiros meses de 2017, as mortes na rota central do Mar Mediterrâneo bateram a marca de 481. Esse número é três vezes maior que o observado no mesmo período em 2016, mostrou a Organização Internacional para Migrações (OIM) em um comunicado sobre o tema divulgado nesta terça-feira.

O total de mortes nas rotas do Mar Mediterrâneo é de 525. Até o dia 19 de março, quase 21 mil imigrantes chegaram à Europa pelo mar. A maioria deles (80%), desembarcaram na Itália, Espanha e Grécia.

Esse número, contudo, não contabiliza as 3.300 pessoas resgatadas na ocasião e que estão sendo levadas para território italiana. A expectativa da organização é a de que, com essa inclusão, a quantidade de chegadas na Itália supere o registrado para o mesmo período em 2016 e 2015.

Mortes mundo afora

A entidade divulgou ainda um balanço do total de mortes de imigrantes em outras rotas espalhadas pelo mundo em 2017. Ao todo, o número de mortes de pessoas em situação de deslocamento forçado é de 1.018 e é justamente o Mar Mediterrâneo o caminho mais perigoso, seguido do norte da África (198 mortes) e do Caribe (81).

Veja os registros na tabela abaixo.

Rota Mortes em 2017 Mortes em 2017
Mar Mediterrâneo 525 553
Europa 13 15
Oriente Médio 10 33
Norte da África 198 542
Chifre da África 64 87
África subsaariana 12 23
Sudeste Asiático 44 35
Leste da Ásia 0 0
México/EUA 61 53
América Central 10 20
Caribe 81 38
América do Sul 0 0
Total 1.018 1.409