Dólar R$ 3,27 -0,54%
Euro R$ 3,65 0,07%
SELIC 11,25% ao ano
Ibovespa 1,36% 64.085 pts
Pontos 64.085
Variação 1,36%
Maior Alta 4,89% RADL3
Maior Baixa -6,09% JBSS3
Última atualização 26/05/2017 - 17:20 FONTE

Aliança árabe admite que usou bombas de fragmentação no Iêmen

A nota, em resposta a um comunicado da Anistia, detalhou que uma investigação realizada pela coalizão confirmou o uso de bombas de fragmentação

Riad – A coalizão árabe, liderada pela Arábia Saudita, disse nesta segunda-feira em comunicado que suas forças usaram bombas de fragmentação na região de Al-Khadra, ao noroeste do Iêmen, “de forma limitada”.

A nota, em resposta a um comunicado da Anistia Internacional (AI) que acusou a aliança de usar este tipo de armamento, detalhou que uma investigação realizada pela coalizão confirmou o uso de bombas de fragmentação fabricadas no Reino Unido, do modelo BL-755, contra “alvos militares” dos rebeldes no Iêmen.

A aliança acrescentou que o uso dessas armas é “para proteger a fronteira da Arábia Saudita” e que “não foram utilizadas contra zonas habitadas por civis”.

Além disso, a coalizão destacou que seus países não são membros da convenção sobre Munições Cluster de 2008 e que “o uso deste tipo de munição não é contra lei internacional”, segundo a nota.

A aliança informou que a Arábia Saudita decidiu deixar de usar essas munições e comunicou ao Reino Unido sua decisão.

No último dia 29 de junho, a Anistia Internacional e a Human Rights Watch (HRW) denunciaram bombardeios deliberados a hospitais e o uso de bombas de fragmentação pela aliança árabe no Iêmen.

As duas ONGs também apontaram a responsabilidade dos Estados Unidos e do Reino Unido por fornecer armas e apoio à Arábia Saudita na guerra.

No dia 12 de dezembro, o Unicef pediu o fim das hostilidades após advertir que cerca de 2,2 milhões crianças sofrem desnutrição grave e precisam de atendimento urgente.

Em março de 2015, a coalizão árabe começou uma intervenção no Iêmen em apoio ao presidente Abdo Rabbo Mansour Hadi contra os rebeldes houthis, o que intensificou o conflito no país.

Desde então, morreram cerca de sete mil pessoas e três milhões foram obrigadas a deixar suas casas, segundo dados da ONU.