Aleppo está em chamas. Como ajudar?

Segunda maior cidade da Síria está à beira de uma catástrofe sem precedentes. Saiba aqui como ajudar a população, a maior vítima dessa guerra

São Paulo – O conflito na Síria, que completou cinco anos em 2016, não dá sinais de que irá terminar tão cedo. Nesta semana, a guerra tomou novas proporções com o cerco aos rebeldes contrários ao regime de Bashar Al Assad em Aleppo.

Antes principal centro financeiro e segunda maior cidade do país, Aleppo está quase que inteiramente destruída e a população sofre com a escassez de itens essenciais e a violência dos embates. A situação, no momento, é de volatilidade. Um frágil cessar-fogo foi acertado pelas partes para que seja possível a evacuação dos civis em segurança.

Enquanto isso, as redes sociais foram tomadas por vídeos e mensagens de pessoas que estão em Aleppo e que temem por suas vidas. Os apelos circularam rapidamente nesta semana, emocionando cidadãos de diferentes partes do mundo.

A crise humanitária gerada pela guerra é de enorme magnitude. Com isso em mente, EXAME.com conversou com especialistas em direitos humanos e assistência humanitária sobre como, afinal, é possível ajudar a população síria.

As dicas, é claro, valem não apenas para a Síria, mas para todas as pessoas que vivem em países em situação de conflitos armados. Confira abaixo.

Pressão popular

Segundo Claudia Antunes, assessora da organização Médicos Sem Fronteiras no Brasil, um ponto crucial é o da conscientização ante os desafios e problemas que o conflito trouxe, especialmente no que diz respeito ao acesso à ajuda humanitária.

A entidade é uma das mais ativas hoje na Síria. Em Aleppo, especificamente, o MSF dá apoio a oito hospitais na região leste. O auxílio, no entanto, é indireto, uma vez que a organização não consegue entrar na cidade.

Medicamentos, equipamentos e voluntários até existem, mas não chegam até a população, pois as partes envolvidas no conflito não oferecem às organizações as garantias necessárias que permitam a retirada segura das vítimas dos locais.

Portanto, é essencial que as pessoas participem de campanhas no sentido de pressionar que líderes globais e as partes envolvidas no conflito sigam as leis internacionais que garantem a ajuda humanitária para vítimas de guerras.

Uma das campanhas atuais sobre Aleppo, por exemplo, é uma iniciativa da Anistia Internacional que pede que pessoas de diferentes partes do mundo exijam dos governos da Rússia, Síria e Irã a retirada segura dos feridos e que seja permitida a entrada de observadores da ONU na cidade.

Doações

Na visão do professor Flávio de Leão Bastos Pereira, da Universidade Presbiteriana Mackenzie e membro do rol de especialistas da Academia Internacional dos Princípios de Nuremberg, uma opção interessante de envolvimento para cidadãos comuns é por meio de doações para organizações não governamentais que atuam no conflito, como o Médico Sem Fronteiras e a Cruz Vermelha.

Sem esquecer, é claro, de apoiar os Capacetes Brancos, como ficou conhecida a Defesa Civil da Síria. Indicados ao Nobel da Paz em 2016, os membros da entidade são voluntários da sociedade civil que arriscam suas vidas em diferentes cidades do país no resgate de vítimas de quaisquer tipos de ataques e bombardeios. Desde o início do conflito, em 2015, salvaram quase 80 mil vidas e sofreram 141 perdas.

Se mantenha informado

A complexidade do conflito na Síria assusta e mesmo analistas não conseguem vislumbrar uma saída ou futuro próspero para o país. “Todos os lados estão envolvidos em crimes de guerra”, nota o professor. Ou seja, de qualquer ângulo que se enxergue, a crise é um quebra-cabeça dos mais difíceis.

É importante, portanto, se manter informado acerca dos atores envolvidos e dos desdobramentos de cada um dos episódios. Há uma série de documentários que podem trazer informações interessantes sobre o tema. Um deles fala justamente sobre o trabalho dos Capacetes Brancos e está disponível na Netflix.

Além do noticiário cotidiano, que traz informações gerais sobre o estado da guerra, vale ficar de olho nas redes sociais, espaço nos quais muitos sírios vêm divulgando detalhes sobre o seu dia a dia na guerra. Exemplos são a pequena Bana, de apenas 7 anos, cujas mensagens são redigidas porsua mãe, a ativista Lina Al-Shami e o professor Mr. Alhamndo. Todos tuítam em inglês.

Solidariedade com os refugiados

A guerra na Síria foi o gatilho para uma crise de refugiados que atingiu níveis não observados desde a Segunda Guerra Mundial. Estima-se que ao menos 5 milhões de sírios tenham deixado o país em busca de uma vida melhor em países vizinhos ou qualquer outro lugar do mundo.

“Mesmo geograficamente distantes, há várias maneiras de os brasileiros se solidarizarem com a situação dos refugiados”, explica Claudia. “Ao entender o que essas pessoas passaram e os riscos que assumiram para conseguir deixar o seu país, se mostra a solidariedade”, continua ela. “Essa acolhida é importante”, considera.

E uma forma de ajudar a população da Síria é justamente abraçando a causa dos refugiados, apoiando a sua integração ao Brasil, por exemplo, e valorizando iniciativas que tenham como objetivo a sua recepção.

Em solo nacional, entidades como a Cáritas Arquidiocesana de São Paulo trabalham na recepção e integração dessas pessoas e estão sempre necessitando doações de todas as sortes, de roupas à produtos de higiene. Outra iniciativa que valoriza essa presença no país é a Migraflix, que oferece cursos, oficinas e até jantares produzidos por refugiados de todos os locais do mundo para brasileiros.

Preservação da memória e cultura síria

O professor cita ainda tentativas de recuperação e preservação da memória e cultura do país como uma forma de ajudar a população síria. Ela não impacta, diretamente, no dia a dia das pessoas, mas contribui para que o conflito não caia no esquecimento no futuro.

“Apoiar iniciativas que tenham o objetivo de valorizar e preservar intelectuais e escritores é essencial”, opinou. “Como foi feito com os diários de Anne Frank, na Segunda Guerra Mundial, publicar diários de crianças que viveram o conflito é uma forma de eternizar suas histórias”, completou.

Veja também