Al Qaeda quer que “lobos solitários” ataquem EUA, França e Rússia

"Vinguem-se dos crimes cometidos pelos kuffar (infiéis) contra seus irmãos e irmãs muçulmanas", diz em inglês uma das mensagens enviadas pelo Telegram

Rabat – Grupos próximos à organização terrorista Al Qaeda convocaram nas últimas horas, através das redes sociais, “lobos solitários” jihadistas a perpetrarem ataques em Estados Unidos, França e Rússia.

“Vinguem-se dos crimes cometidos pelos kuffar (infiéis) contra seus irmãos e irmãs muçulmanas”, diz em inglês uma das mensagens enviada por uma conta anônima no aplicativo de conversas Telegram ligada à organização Al Qaeda na Península Arábica (AQPA).

As mensagens foram elaboradas de forma profissional e incluem fotos, frases e textos de incitação em árabe, inglês e russo.

“Onde será o próximo golpe? O tempo nos dirá”, afirma outro trecho, que exibe as bandeiras de Estado Unidos, Rússia e França, ao lado de uma imagem com uma pessoa encapuzada e armada.

Vários textos tentam convencer os jihadistas residentes nesses países a perpetrarem ataques terroristas individuais onde vivem, ao invés de viajarem às zonas de conflito para se incorporarem à jihad (guerra santa).

“Se sonha viajar à terra da jihad para defender os muçulmanos, antes disso tem a melhor opção: vingar e castigar os inimigos de Alá em suas casas”, diz outra mensagem.

Apesar da maioria dos textos não especificar o motivo dessa vingança, dois dos cartéis se referem às operações militares das quais participam Estados Unidos, Rússia e França contra grupos jihadistas na Síria.

“Alá mostrou que desejado e grande é oferecer a felicidade aos corações de crianças e mulheres sírias e emboscar os inimigos de Alá e golpear suas cabeças e os pontos sensíveis de seus países”, diz outro trecho.

As mensagens também definem o “lobo solitário” como um “jovem que desestabiliza os infiéis em sua própria terra”.

Em janeiro de 2015, a AQPA se vangloriou em um vídeo divulgado na internet de ser responsável pelo atentado com 12 mortos perpetrado em Paris contra a redação da revista satírica “Charlie Hebdo” por divulgar caricaturas de Maomé.

A AQPA, com base no Iêmen e comandada pelo líder jihadista iemenita Qasim al-Raymi, é considerada pelos Estados Unidos um dos braços mais perigosos e ativos da Al Qaeda.