Dólar R$ 3,32 0,51%
Euro R$ 3,76 0,11%
SELIC 10,25% ao ano
Ibovespa -0,82% 61.675 pts
Pontos 61.675
Variação -0,82%
Maior Alta 5,67% CSNA3
Maior Baixa -3,90% ESTC3
Última atualização 27/06/2017 - 17:21 FONTE

6 perguntas e respostas sobre a crise com a Coreia do Norte

A Coreia do Norte voltou ao centro das atenções com seus testes e os Estados Unidos não descartam uma ação militar contra o país. Entenda

São Paulo – A tensão em torno da Coreia do Norte voltou a ser o centro das atenções da na última semana. Na manhã de ontem, o secretário de Estado dos Estados Unidos, Rex Tillerson, endureceu o discurso sobre as atitudes recentes do regime de Kim Jong-un, alertando que a paciência estratégica com o país acabou e não descarta uma ação militar.

No início do mês, a Coreia do Norte realizou uma série de testes com mísseis balísticos. Na ocasião, a comunidade internacional viu o fato como um desafio aos EUA e à Coreia do Sul, que realizam manobras militares conjuntas na região. Para o norte, os exercícios nada mais são do que ensaios para uma possível invasão.

Não é de hoje que a comunidade internacional debate o que, afinal, fazer com o regime norte-coreano, que não vem dando sinais de que irá cessar os testes. Embora seja alvo de sanções e mais sanções econômicas, o país não parece disposto a suspender o seu programa nuclear. Como resultado, a crise nuclear na península da Coreia só se acentua.

Mas significam esses testes? Por que as sanções não estão funcionando? Quais os riscos dessa crise para a região e o mundo? Qual seria a solução para esse problema?

Para debater esse assunto, EXAME.com conversou com Alexandre Uehara, cientista político e especialista em Ásia das Faculdades Integradas Rio Branco. Acompanhe no vídeo abaixo.