Dólar R$ 3,15 -1,03%
Euro R$ 3,74 1,10%
SELIC 9,25% ao ano
Ibovespa -0,27% 68.528 pts
Pontos 68.528
Variação -0,27%
Maior Alta 3,63% FIBR3
Maior Baixa -3,11% ECOR3
Última atualização 21/08/2017 - 16:17 FONTE

Tesouro fará nova emissão de bônus 2023

Nova emissão de bônus denominado em dólares tem objetivo de dar mais liquidez ao papel

São Paulo - O <a href="http://exame.abril.com.br/topicos/tesouro" target="_blank"><strong>Tesouro Nacional</strong></a> anunciou nesta quinta-feira que fará nova emissão de bônus denominado em dólares com vencimento em janeiro de 2023, com objetivo de dar mais liquidez ao papel.</p>

De início, segundo uma fonte familiarizada com o assunto, o governo pretende emitir 500 milhões de dólares com o título e a decisão de não fazer emissão com novo título veio porque o objetivo é fortalecer o título de dívida externa como referencial.

Foram em do papel até agora e, como um bom referencial, o governo mira chegar a cerca de 3 bilhões de dólares, montante que já existe em outros títulos, disse a fonte.

A emissão, segundo o Tesouro, será liderada pelos bancos Barclays e Citigroup. Os títulos serão emitidos nos mercados norte-americano e europeu, com a possibilidade de dar seguimento à emissão na Ásia após a abertura daquele mercado.

Haverá divulgação de resultados no fim da emissão nos mercados norte-americano e europeu, e o resultado total será anunciado somente depois de concluída a eventual oferta no mercado asiático, explicou o Tesouro.

Na quarta-feira, o secretário do Tesouro Nacional, Arno Augustin, havia informado que o país poderia fazer uma emissão externa com novo título de dez anos, ressaltado que a volatilidade dos mercados internacionais havia diminuído muito, abrindo a janela para captações soberanas.

No começo do mês passado, uma fonte do governo já havia afirmado à Reuters que o Brasil utilizaria um novo papel de 10 anos na próxima emissão, e que o país aguardava uma maior queda no rendimento do bônus referencial com vencimento em 2023 para fazer a operação.

O Global 2023 está oferecendo nesta quinta-feira rendimento de 2,724 por cento ao ano, ante rendimento de 3,301 por cento em 21 de março, quando atingiu o pico.